Mais metade utilizadores portugueses não protegem os telemóveis

Publicado em 16/07/2021 15:32 em Segurança Informática

Mais de metade (56%) dos utilizadores portugueses não protegem os seus dispositivos móveis de ataques informáticos, segundo um estudo da analista de mercados Coleman Parks.

O estudo conclui, também, que 44% dos utilizadores sabem que o respectivo fornecedor de serviços pode disponibilizar-lhes protecção contra ataques maliciosos e 29% usam pré-instalada uma aplicação de segurança desse tipo, enquanto 38% usam uma aplicação de segurança gratuita.

Apenas um em cada cinco utilizadores usa uma solução paga produzida por uma empresa especializada em segurança informática, observa

À medida que cresce número de smartphones e são oferecidos maior número de serviços móveis, incluindo de pagamentos e bancários, os cibercriminosos multiplicam os esforços para infectar os dispositivos móveis.

A Coleman Parkes recorda que a instalação de aplicações comporta uma infinidade de riscos quando aquelas são maliciosos, e podem roubar dados, incluindo credenciais bancárias ou de cartões de pagamentos, instalar Keyloggers (malware que regista as teclas premidas), cavalos de Tróia de acesso remoto, phishing e outro malware que oferece aos cibercriminosos uma forma de lançar ataques sofisticados.

Acrescenta que as vulnerabilidades do sistema operativo ou mesmo de componentes dos telemóveis, assim como configurações de segurança fracas, são também um alvo dos piratas informáticos.

A Coleman Parks adianta que 90% dos ataques cibernéticos começam com ataques de phishing e os cibercriminosos exploram aplicações de mensagens para tentar conduzir os utilizadores e sítios Internet falsos, com conteúdo malicioso.

Outros tipos de ataques são os Man-in-the-Middle, que permitem interceptar tráfego de dados, e os ataques baseados na rede.

O inquérito daquela consultora conclui que 59% dos utilizadores portugueses mudariam para um fornecedor de serviços que oferecesse uma solução de segurança de rede clara e devidamente promovida.

Ainda sem comentários