Banco Portugal alerta para oferta crédito fácil nas redes sociais

Publicado em 30/03/2021 10:31 em Segurança Informática

O Banco de Portugal (BPortugal) alertou para o aparecimento em redes sociais, em especial no Facebook, de ofertas fraudulentas de uma «suposta concessão de empréstimos, exigindo como contrapartida o pagamento de valores monetários, recorrendo a falsas justificações».

Em comunicado, o banco central português indica que normalmente afirmam conceder empréstimos rapidamente, sem formalidades, sem prestação de garantias, com descrição e a todos os interessados, mesmo àqueles que não conseguem obter crédito no sistema financeiro.

O BPortugal adianta que os contactos são estabelecidos através de publicitação, nomeadamente no Facebook, de ofertas de crédito a pessoas que precisam de liquidez com urgência.

Acrescenta que os autores utilizam, por vezes e indevidamente, o nome e a imagem de instituições financeiras autorizadas ou de pessoas singulares reconhecidas publicamente e credíveis, para gerar confiança nos potenciais clientes e, após a captação do cliente, o diálogo é muitas vezes iniciado através da plataforma Messenger ou Whatsapp ou através de um contacto por mensagem electrónica ou número de telefone fornecido, muitas vezes com indicativo estrangeiro.

Adicionalmente são solicitadas à vítima o envio de informações pessoais e cópias de documentos, como nome completo, morada, número de identificação fiscal [de contribuinte] e/ou cópia de documentos de identificação, recibos de vencimento e outros.

Após isso, são comunicados os supostos termos do empréstimo, como o valor, taxas de juro e valor das prestações mensais, em forma de texto ou de falsos contratos, solicitando à vítima o adiantamento de uma verba, muitas vezes apresentada como para pagamento de um seguro, quantia para libertação do crédito, taxa de transferência internacional ou pagamento de impostos.

Após este primeiro pagamento de adiantamentos, com frequência seguem-se pedidos de novos pagamentos com diversos pretextos, que vêm muitas vezes acompanhados de supostos comprovativos, falsificados, de transferências bancárias do montante do empréstimos e os clientes recebem sucessivos pedidos de fundos para desbloqueio do empréstimo, que nunca chegam a receber.

O comunicado acrescenta que, em caso de dúvida, as pessoas devem consultar os serviços do Banco de Portugal.

Ainda sem comentários