Investimento em cibersegurança deve crescer 10% este ano

Publicado em 01/02/2021 15:41 em Segurança Informática

A consultora e analista de mercados Canalys prevê que o investimento mundial em cibersegurança deverá crescer 10% no ano em curso num cenário mais provável ou que aumente 6,6% no pior cenário.

A análise da Canalys antecipa que a segurança informática continue a ser altamente prioritária em 2021, num contexto em se alarga o leque de ameaças informáticas, emergem novas vulnerabilidades e é pouco provável que a frequências de ataques diminua.

A Canalys antecipa que o mercado total de segurança informática, nas diferentes vertentes, atinja um montante de 60,2 mil milhões de dólares (49,6 mil milhões de euros).

Acrescenta que a primeira metade do ano será marcada pelas novas restrições e confinamentos em resposta á pandemia, mas sublinha que as aprovações de vacinas para a Covid-19 e o começo de programas de vacinação em massa apontam para um horizonte temporal de reabertura de economias e uma retoma sustentada a partir do meio deste ano.

A Canalys assinala que apesar do crescimento continuado da despesa em cibersegurança, o número de quebras da segurança de dados, de registos comprometidos e de ataques de ransomware atingiram em 2020 um novo recorde.

Revela que mais de 12 mil milhões de registos contendo um conjunto de informação pessoal identificável foi comprometida no ano passado e que os ataques de ransomware (captura de dados por encriptação, com pedido de resgates para dar a chave de desencriptação do sistema) cresceram quase 60%.

A má configuração de bases de dados baseadas na nuvem e campanhas de pishing tendo como alvo pessoas em trabalho remoto e alunos do ensino à distância, com pouca preparação, foram factores chave para o êxito dos ataques e fraudes online e a utilização massiva do trabalho e ensino à distância e a aceleração de projectos de transformação digital contribuirão para manter esta tendência em 2021, acrescenta.

O analista chefe da Canalys, Mattew Ball, salienta que a grande ameaça vem de software malicioso ainda não identificado e recorda a injecção de código malicioso na plataforma de gestão de tecnologias de informação SolarWinds Orion, com subsequente infecção de sistemas de informação.

Adianta que o envolvimento dos serviços profissionais de cibersegurança em resposta a estes desafios será um dos vários factores que contribuirão para o aumento sustentado este ano do investimento, especialmente no desenvolvimento de novas soluções para mitigar estes riscos, tal como a despesa para integrar novas funcionalidades nas soluções de segurança, produtos para aumentar a segurança na nuvem e actualização das soluções já utilizadas.

Observou que a isto se juntam a necessidade de utilização soluções de segurança com camadas múltiplas e estratégias holísticas, a formação dos trabalhadores em segurança informática, a protecção de dados e cópias de segurança e a detecção antecipada de vulnerabilidades, que se mantêm como questões críticas.

A Canalys prevê que, em 2021, a despesa em segurança do correio electrónico crescerá 12,5%, em analítica de vulnerabilidades e segurança subirá 11%, o investimento em segurança endpoint abrandará para um acréscimo de 10,4%, após forte aumento em 2020, a gestão de identidade de acessos e políticas «zero trust» para garantir acesso seguro a dados e aplicações crescerão também 10,4%, enquanto a despesa em segurança dos dados subirá 6,6%.



A consultora e analista de mercados Canalys prevê que o investimento mundial em cibersegurança deverá crescer 10% no ano em curso num cenário mais provável ou que aumente 6,6% no pior cenário.

A análise da Canalys antecipa que a segurança informática continue a ser altamente prioritária em 2021, num contexto em se alarga o leque de ameaças informáticas, emergem novas vulnerabilidades e é pouco provável que a frequências de ataques diminua.

A Canalys antecipa que o mercado total de segurança informática, nas diferentes vertentes, atinja um montante de 60,2 mil milhões de dólares (49,6 mil milhões de euros).

Acrescenta que a primeira metade do ano será marcada pelas novas restrições e confinamentos em resposta á pandemia, mas sublinha que as aprovações de vacinas para a Covid-19 e o começo de programas de vacinação em massa apontam para um horizonte temporal de reabertura de economias e uma retoma sustentada a partir do meio deste ano.

A Canalys assinala que apesar do crescimento continuado da despesa em cibersegurança, o número de quebras da segurança de dados, de registos comprometidos e de ataques de ransomware atingiram em 2020 um novo recorde.

Revela que mais de 12 mil milhões de registos contendo um conjunto de informação pessoal identificável foi comprometida no ano passado e que os ataques de ransomware (captura de dados por encriptação, com pedido de resgates para dar a chave de desencriptação do sistema) cresceram quase 60%.

A má configuração de bases de dados baseadas na nuvem e campanhas de pishing tendo como alvo pessoas em trabalho remoto e alunos do ensino à distância, com pouca preparação, foram factores chave para o êxito dos ataques e fraudes online e a utilização massiva do trabalho e ensino à distância e a aceleração de projectos de transformação digital contribuirão para manter esta tendência em 2021, acrescenta.

O analista chefe da Canalys, Mattew Ball, salienta que a grande ameaça vem de software malicioso ainda não identificado e recorda a injecção de código malicioso na plataforma de gestão de tecnologias de informação SolarWinds Orion, com subsequente infecção de sistemas de informação.

Adianta que o envolvimento dos serviços profissionais de cibersegurança em resposta a estes desafios será um dos vários factores que contribuirão para o aumento sustentado este ano do investimento, especialmente no desenvolvimento de novas soluções para mitigar estes riscos, tal como a despesa para integrar novas funcionalidades nas soluções de segurança, produtos para aumentar a segurança na nuvem e actualização das soluções já utilizadas.

Observou que a isto se juntam a necessidade de utilização soluções de segurança com camadas múltiplas e estratégias holísticas, a formação dos trabalhadores em segurança informática, a protecção de dados e cópias de segurança e a detecção antecipada de vulnerabilidades, que se mantêm como questões críticas.

A Canalys prevê que, em 2021, a despesa em segurança do correio electrónico crescerá 12,5%, em analítica de vulnerabilidades e segurança subirá 11%, o investimento em segurança endpoint abrandará para um acréscimo de 10,4%, após forte aumento em 2020, a gestão de identidade de acessos e políticas «zero trust» para garantir acesso seguro a dados e aplicações crescerão também 10,4%, enquanto a despesa em segurança dos dados subirá 6,6%.

Ainda sem comentários