Um em 3 vai reduzir custo próxima compra smartphones

Publicado em 21/07/2020 18:10 em Equipamentos

Um em cada três utilizadores de smartphones vai gastar no mínimo 20% menos na sua próxima compra daqueles dispositivos no pós-Covid-19, segundo uma sondagem da consultora e analista de mercados Counterpoint em sete grandes mercados.

A Counterpoint entrevistou em Maio e Junho consumidores dos Estados Unidos, Índia, Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Espanha e quase metade dos inquiridos espera adiar a sua próxima compra (61% na Índia, 58% em Espanha, 56% em Itália e 41% nos Estados Unidos.

A Alemanha é o país com menos intenções de adiamento, ainda assim mais de um em cada três (34%), adianta.

O ciclo de substituição dos smartphones deverá passar dos actuais 22 meses para cerca de 26 meses, indica a Counterpoint.

O sentimento anti-China, país onde começou a pandemia, é maior na Índia, com mais de metade dos inquiridos a manifestar uma atitude desfavorável em relação aos smartphones de marca chinesa e produtos «made in China», o que provavelmente terá a ver com o recente conflito entre os dois países, observa a consultora.

A analista refere que nos Estados Unidos um em cada cinco prefere não comprar produtos chineses, ao contrário dos britânicos, que em 90% dos casos não rejeitam telefones chineses, indica a Counterpoint.

Nos EUA, as compras de smartphones por Internet são as que mais crescem, sendo mais popular entre os que pretendem um telefone LG ou Sony, mas menos usada pelos que optam por um iPhone, revela o inquérito.

Nos Estados Unidos a Apple e a Samsung têm compradores fiéis, com os primeiros particularmente satisfeitos com a câmara e os fãs da marca coreana adeptos do ecrã do Galaxy.

A importância das câmaras frontais, para as «selfies», aumentou particularmente nos dois últimos anos nos EUA, provavelmente pelas novas funcionalidades de realidade aumentada nas redes sociais, segundo a Counterpoint.

A consultora refere que dois terços dos consumidores britânicos planeiam comprar um smartphone de acordo com o habitual, com um orçamento entre 135 e 250 dólares, e só 11% pensam cortar o orçamento em 20% ou mais.

Mais de dois em cada cinco inquiridos (43% do total da amostra) estão a prever trocar de telemóvel no próximo ano, sendo os operadores de telecomunicações o canal de compra preferido, seguido pelas grandes lojas de electrónica.

Na Índia, mais de metade dos que responderam à sondagem pensam trocar o telemóvel no próximo ano.

Ainda sem comentários