Altice Portugal anuncia quinto trimestre consecutivo a crescer

Publicado em 21/05/2020 18:20 em Operadores / Serviços

A Altice Portugal, operador que detém a marca MEO, anunciou hoje que as suas receitas aumentaram 2,6% nos três primeiros meses de 2020, quinto trimestre consecutivo de crescimento, para 522,3 milhões de euros.

Em comunicado de resultados, a companhia indica que as receitas do primeiro trimestre subiram 2,2% na área do consumo e progrediram 3,2% nos serviços empresariais, com as despesas de capital (CAPEX, investimento) a subirem 3,8% e a atingirem104,3 milhões de euros.

A Altice Portugal afirma que atingiu no fim de Março os 5,1 milhões de casas passadas com fibra (casas e empresas aptas a terem tecnologia de fibra óptica), com aumento de 182 mil no trimestre, aproximando-se da meta de atingir os 5,3 milhões em 2020.

O operador de telecomunicações indica que no negócio fixo conseguiu no primeiro trimestre mais 37 mil adições líquidas de RGU (unidades geradoras de receitas, clientes), somando novos clientes nos serviços de voz (telefones), banda larga e televisão, com 62% dos clientes a usarem fibra e colocando «bastante mais próxima» a meta de liderança na TV.

Na área móvel, a Altice indica que cresceu mais 52 mil clientes pós-pagos (o que não significa que tenha crescido o mesmo número de clientes pós pagos, porque é comum os clientes pré-pagos aderirem a este tipo de serviço quando subscrevem pacotes).

Indica que no primeiro trimestre de 2020 aumentou 5 mil clientes únicos (considerando qua vários serviços do mesmo cliente constituem um cliente único), acompanhando o objectivo de serviços convergentes, que cresceram 2,1 pontos percentuais (pp) face a um ano antes.

Quanto ao segmento empresarial, que incluiu os serviços grossistas, o operador indica que houve uma diminuição de receitas nos circuitos e acessos alugados, à medida que outros operadores substituem infra-estrutura alugada à Altice Portugal por infra-estrutura própria e registou-se uma quebra de receitas de roaming, com o surto de Covid-19 e o seu impacto no turismo.

A Altice recorda que no primeiro trimestre ultimou a venda de uma participação minoritária de 49,99% da Altice Portugal FTTH, que detém a rede de fibra óptiva, à Morgan Stanley, indicando que «é a primeira vez na Europa que um operador de telecomunicações separa o negócio de gestão das redes de fibra numa empresa grossista», e comprou a maioria (51%) do capital da Blueticket.

A companhia sublinha que os números da ANACOM – Autoridade Nacional de Comunicações, revelam que o MEO foi o único foi o único operador em Portugal que conseguiu reduzir o número de reclamações, que baixou 21%, e foi pela primeira vez em 2019 o operador com menos reclamações por mil clientes

Alexandre Fonseca, presidente executivo da Altice Portugal, citado no comunicado, afirma que com a pandemia a empresa foi obrigada a adaptar-se perante as exigências de algo que a transcende e assumir uma responsabilidade acrescida num mundo em que as comunicações se tornaram indispensáveis para a estabilidade emocional dos portugueses e para o negócio das empresas.

Afirma que o compromisso da Altice Portugal foi investir e reforçar a segurança, apoiar as entidades como as da saúde, protecção civil e forças de segurança pública e assegurar o teletrabalho e o ensino à distância.

Destaca o investimento superior a 2 mil milhões de euros na extensão da rede de fibra óptica e os bons resultados da empresa no primeiro trimestre.

Ainda sem comentários