Ericsson ausente do MWC 2020

Publicado em 08/02/2020 18:03 em Destaques

Depois da LG Electronics, a fabricante sueca de equipamentos e soluções de rede telecomunicações Ericsson é a segunda grande multinacional a anunciar que não vai participar na edição deste ano do Congresso Mundial das Comunicações Móveis (MWC), que decorre de 24 a 27 de Fevereiro em Barcelona (Espanha).

Tal com o a sul-coreana LG, a Ericsson afirma que no topo das suas preocupações está a saúde e segurança dos participantes, nomeadamente dos seus trabalhadores e clientes que, com a ameaça do Coronavírus, não pode ser garantida.

Em comunicado, a multinacional sueca indica que as apresentações e conteúdos criados para o Mobile World Congress (MWC) serão mostradas em eventos locais designados por «Ericsson Unboxed», uma decisão semelhante à anunciada pela LG.

A Ericsson assinala que devido ao continuado alastramento do Coronavírus, monitorizou de perto a evolução da situação e decidiu aderir às recomendações de autoridades nacionais e internacionais relevantes, como a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A Ericsson diz apreciar que a Associação GSM, que organiza o Congresso, tenha feito tudo o que pode para controlar o risco, mas salienta que é um dos maiores expositores, que recebe diariamente milhares de visitantes no certame, e, mesmo que o risco seja baixo, a companhia não pode garantir a saúde e segurança dos seus empregados e visitantes, que é a sua mais alta prioridade.

Tal como tinha sucedido com a desistência da LG, a GSMA lamenta a decisão da Ericsson, que respeita, mas afirma que é de grande importância reunir o sector neste momento crítico em que as comunicações estão à beira de uma nova revolução industrial.

A GSMA destaca que implementou medidas activas para diminuir os riscos de propagação do vírus, nomeadamente as aconselhadas pela OMS e outras autoridades de saúde, e que está em contacto com os expositores para discutir a implementação dessas medidas.

A pouco mais de duas semanas da data marcada para o início do MWC, as desistências da Ericsson e da LG são baixas de vulto, que poderão influenciar outros expositores a adoptar uma posição idêntica, principalmente se não se verificar uma tendência acentuada de abrandamento da propagação da doença, que até ao momento não é possível prever.

A eventualidade de a edição deste ano ficar sem efeito não é, neste contexto, de excluir. O que não seria positivo para o sector, em particular por se tratar de um momento importante numa altura decisiva da emergência da nova tecnologia móvel 5G.

E também, embora nada seja impossível, não parece viável adiar para nova data, mais tarde neste ano, um evento com a dimensão do MWC, mesmo que muita da sua preparação já esteja realizada.

Fernando Valdez

Ainda sem comentários