Web Summit abre hoje com novo recorde de inscritos

Web Summit abre hoje com novo recorde de inscritosPublicado em 04/11/2019 13:04 em Web Summit

A Web Summit começa hoje em Lisboa com um recorde de 70 469 inscritos de mais de 160 países e tem como «cabeça de cartaz» o ex-analista informático da NSA, Edward Snowden, que revelou que a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos fazia escutas internacionais, incluindo a líderes de governos do Ocidente.

Logo após o CEO da Web Summit, Paddy Cosgrave, fazer uma pequena intervenção inicial, Edward Snowden dirige-se aos participantes por videoconferência, no ano em passam 10 anos sobre a realização da primeira Web Summit em Dublin, no ano de 2009.

Edward Snowden denunciou que a agência de serviços secretos do governo dos Estados Unidos NSA vigiava as comunicações de milhões de norte americanos e cidadãos de todo o mundo – será que já não vigia? -, sendo que sobre a esmagadora maioria não existia qualquer suspeita de actividades ilícitas.

As escutas incluíam a chanceler alemã Angela Merkel e outros chefes de governo e líderes políticos, incluindo de países ocidentais considerados aliados dos Estados Unidos, e Snowden passou a ser um homem procurado pelos Estados Unidos e está actualmente exilado na Rússia.

A Web Summit, além de quase 70 500 participantes, dos quais 11 000 CEO, conta com 1200 oradores em mais de duas dezenas de palcos, mais de 2 mil jornalistas e muitas centenas de voluntários que apoiam a organização do evento em diversas tarefas. A edição deste ano conta com 239 parceiros e a presença de 2150 startups.

Outra presença a destacar na sessão de hoje ao fim da tarde será a de Guo Ping, presidente rotativo da Huawei, a empresa declarada não grata pela Administração dos Estados Unidos.

Segundo a Wikipedia, a empresa organizadora de eventos tecnológicos Web Summit foi fundada por Paddy Cosgrave, David Kelly e Daire Hickey em 2009 e a primeira edição do evento Dublin Web Summit realizou-se num hotel da capital irlandesa com cerca de 400 participantes.

Até 2015, a Web Summit realizou-se na República da Irlanda e na edição desse ano, em que participaram cerca de 40 mil pessoas, Paddy Cosgrave anunciou que entre 2016 e 2018 o evento se realizaria em Lisboa, que apresentava condições para o fazer crescer.

Com o compromisso, que não foi completamente concretizado este ano, de que a partir de 2019 haveria um espaço maior disponível para o crescimento do evento, o governo português e a Web Summit acordaram que esta iniciativa ficaria mais 10 anos em Lisboa.

O governo português já assegurou que iria garantir as condições acordadas e Paddy Coisgrave disse em entrevista à RTP que espera que a Web Summit esteja em Lisboa daqui a 50 anos, que não veio para Lisboa pelo dinheiro, porque Espanha lhe ofereceu muito mais para ir para Valência, mas porque «Portugal condiz plenamente com a marca da Web Summit».

Além do seu principal evento, actualmente em Lisboa, a empresa Web Summit organiza os eventos tecnológicos Collision, em Las Vegas, Estados Unidos, e RISE, em Hong Kong.

A Web Summit indica que tem duas centenas de empregados em Dublin, Lisboa, Toronto e Hong Kong.



Fernando Valdez

Ainda sem comentários