Oracle anuncia novo Centro Tecnológico em Matosinhos

Publicado em 04/10/2019 22:12 em Empresas

A Oracle vai inaugurar dia 10 de Outubro em Matosinhos um novo Centro Mundial de Inovação e Tecnologia para a área do Retalho, que no prazo de um ano poderá atingir a centena de trabalhadores, na maioria engenheiros, anunciou hoje Bruno Morais, director-geral da Oracle Portugal.

Em encontro com a imprensa, o responsável nacional da Oracle indicou que se trata de um centro de competências que vai apoiar a Oracle Retail no desenvolvimento global de produtos para o retalho, vai personalizar o software em função das necessidades dos clientes e fazer consultoria de projectos.

O director-geral da Oracle Portugal indicou que o volume de negócios da multinacional cresceu 4% (2% a câmbio constante) no primeiro trimestre fiscal, terminado no fim de Agosto, atingindo 9,2 mil milhões de dólares (8,4 mil milhões de euros), dos quais 6,8 mil milhões de dólares (6,2 mil milhões de euros) de receitas de serviços na nuvem e licenças.

Os dados da Oracle indicam que os resultados operacionais cresceram 4% no primeiro trimestre fiscal, para 2,9 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros), e os lucros atingiram 2,1 mil milhões de dólares (1,9 mil milhões de euros).

O director-geral em Portugal adiantou que as áreas com maior crescimento em termos internacional foram o ERP – Planeamento de recursos empresariais, com um acréscimo de 33% no número de clientes (para mais de 6500 no Fusion ERP e 18 mil na NetSuite ERP), e em Autonomous Database, onde a multinacional captou mais de meio milhar de clientes que não eram anteriormente clientes Oracle.

Admitiu que o aumento no número de novos clientes de Oracle Autonomous Databese possa duplicar no segundo trimestre fiscal em relação ao primeiro.

Bruno Morais revelou que em Portugal a facturação cresceu a dois dígitos.

O responsável da Oracle Portugal disse ao Falar de Economia e Tecnologia que o Sector Público e as utilities são as áreas que mais contribuem para as receitas anuais da Oracle Portugal em licenciamento, seguidas pelo sector financeiro, que teve uma grande reactivação, e das telecomunicações, indicando que conjuntamente representam acima de 70% das receitas anuais de licenciamento no país.

Bruno Morais e João Borrego, director técnico da Oracle Portugal, indicaram que até ao fim de 2020, a nível mundial a Oracle vai passar dos actuais 16 centros de dados para 36, com um aumento de 5 para 11 na Europa, a que acrescem dois novos centros de dados em Israel, um deles exclusivo para o Governo.

Destacaram que a Oracle Autonomous Database é a única base de dados autónoma do mundo, incorporando inteligência artificial e Machine Learning, e é primeira solução de base de dados com funcionalidades de gestão, segurança e reparação autónomas, aumentando a eficiência e a segurança.

Os responsáveis da Oracle Portugal sublinharam que a nova geração de bases de dados Oracle conta com hardware Exadata, com alto desempenho, e que inclui a segunda geração de Exadata Cloud e a mais recente versão da plataforma, a Oracle Exadata X8M.

Bruno Morais e João Borrego sublinharam o forte investimento da companhia em soluções multicloud, em parceria com outros fabricantes, de que são exemplo os acordos de parceria com a Microsoft (para Azure) e mais recentemente com a VM Ware.

Bruno Morais considerou que em Portugal se está num momento único para colocar a agenda digital como um desígnio nacional para os próximos 10/15 anos e disse não compreender como não há maior preocupação com a segurança dos dados, quer ao nível do sector público, quer de algumas empresas privadas.

Os responsáveis da Oracle indicaram que a Oracle adoptou o conceito de «security by design», o que significa que os seus serviços trazem já a segurança embebida, com protecção dos dados.

Ainda sem comentários