C

Cabo Coaxial – Usado por empresas de telecomunicações, nomeadamente operadores de televisão por cabo.
Os cabos coaxiais são cabos constituídos por 4 camadas: um condutor (fio de cobre) que transmite os dados; uma camada isolante de plástico, chamada de dielétrico que envolve o cabo interno; uma terceira camada em metal, também condutora, que protege as duas camadas internas e, finalmente, uma nova camada de revestimento isolante, em matéria plástica.
Esta configuração permite aos cabos coaxiais serem instalados próximos de superfícies metálicas sem perda de sinal, ao contrário do par de fios de cobre das linhas telefónicas tradionais.

Cache - memória "rápida" de tecnologia SRam, situada entre o CPU e a motherboard e cuja capacidade permite manter, próximo do CPU, uma boa quantidade de instruções e dados. Os processadores i7 820 da Intel vêm já com uma smart cache de 8 Megabytes.
Cache L1, L2 e L3 (de level, nível), representam caches de nível 1, 2 e 3, sendo o 1 o menos evoluído.

CAPEX – Capital Expendure (Despesas de capital), corresponde aproximadamente ao investimento e surge muitas vezes nos relatórios e contas das empresas TIC

CATV – Cable Access Television – sigla para televisão por cabo

Cavalo de Tróia – Software malicioso que aparenta ser útil, mas na verdade causa danos. Frequentemente introduz nos computadores software espião.

CDMA – Code Division Multiple Access – tecnologia de acesso rádio a canais de comunicação utilizada tanto nos telemóveis como em sistemas GPS e que permite o acesso simultâneo de um grande número de utilizadores a uma única faixa de radiofrequências, sem interferências. Esta tecnologia é utilizada nas comunicações móveis de terceira geração (3G).

CD-ROM - Compact Disc Read-Only Memory – Os CD-ROM, podem armazenar qualquer tipo de conteúdo (dados, vídeo e áudio ou conteúdos mistos). Os CD-ROM vêm gravados de origem pelo fabricante e são só de leitura

CD-R – Discos que podem ser gravados com um gravador de CD e software adequado.

CD-RW – Discos compactos que podem ser gravados, apagados ou regravados por cima com um gravador de CD e software adequado.

Centros de processamento de dados (CPD) – Local onde estão colocados os servidores e o software centralizado das empresas e organizações, geralmente com condições ambientais controladas e protecção contra incêndios e outros acidentes. Actualmente é corrente o recurso ao outsourcing e os CPD estarem em empresas subcontratadas.

CERN – Organization Européenne pour la Recherche Nucleaire – organização europeia de investigação na área da física e energia nuclear. Fundado em 1954, o CERN (Centre Européen de Recherche Nucleaire) situa-se dos dois lados da fronteira franco-suíça, tem duas dezenas de Estados membros, entre os quais Portugal, de dispõe de quase 8 mil investigadores e engenheiros.

CERT – Computer Emergency Response Team - Serviço de resposta a incidentes de segurança informática que funciona em rede, com organismos nacionais de vários países. Em Portugal é um serviço que funciona na FCCN – Fundação para a Computação Científica Nacional.

Certificado – Documento de identificação digital, passado por entidades especializadas e reconhecidas internacionalmente, que serve para comprovar a autenticidade e segurança de um sítio Internet de uma organização ou entidade.

Chat – sistema de comunicação directa entre utilizadores de Internet (ou Intranets) que permite a troca de comunicações escritas imediata.

Ciberespaço – Termo inspirado num romance de William Gibson, que designa o espaço virtual onde circula a informação gerada nas redes informátricas e de telecomunicações.

Cibernauta – Aquele que navega no Ciberespaço.

Circuito integrado - é um circuito electrónico miniaturizado (composto principalmente por dispositivos semicondutores), que tem sido produzido na superfície de um substrato fino de material semicondutor.
Os circuitos integrados são utilizados no fabrico de quase todos os equipamentos eletrônicos.

CLI – Calling Line Identification – Sistema que permite a identificação do número de telefone de onde partiu uma chamada.

Código aberto – O software de código aberto (ou Open Source), como é definido pela Open Source Iniciative, é um software cujo código fonte deve estar acessível a todos, ser de livre redistribuição, gratuita ou por venda, permitir modificações ou trabalhos derivados. O autor pode restringir a distribuição do código fonte modificado.
A licença do código aberto não pode discriminar pessoas ou grupos de pessoas.
As licenças «open source»não podem ser específicas para um produto nem restringir nem restringir o uso de outros softwares.
As licenças de software de código aberto têm de ser tecnologicamente neutrais, não podem estar ligadas a uma determinada tecnologia ou interface.
Embora as regras sejam definidas por organizações diferentes, a fronteira entre sofware livre e de código aberto é bastante ténue.

Código de barras – Criado nos anos setenta do século XX, o código de barras é uma representação gráfica de um código numérico (ou alfanumérico). A decodificação (leitura) dos dados é realizada por um tipo scanner especial - o leitor de código de barras -, que emite um raio vermelho que percorre todas as barras. Onde a barra for escura, a luz é absorvida; onde a barra for clara (espaços), a luz é refletida novamente para o leitor e o computador descodifica.
O código numérico vem escrito por baixo do código de barras, o que permite, em caso de falha na leitura, introduzir manualmente os dados do produto. O código de barras está hoje generalizado no comércio de maior dimensão, mas também é utilizado noutros sectores. Os três primeiro algariamos definem o país de origem e o código dos produtos portugueses começa por 560.

Comércio electrónico – Transações comerciais por Internet, para compras por particulares (B2C) ou negócio entre empresas (B2B).

Comutação por pacotes – Método de transferência de dados em rede. Os ficheiros maiores são divididos em pequenos pacotes contíguos ordenados, contendo cada um o endereço de origem e destino, facilitando a utilização de uma mesma rede de transmissão por diferentes entidades.

Cookie – Pequeno ficheiro enviado por um servidor Web para um computador e que permite reconhecer o utilizador sempre que ele contactar o servidor. Em princípio, os cookies não permitem ler a informação contida no equipamento do utilizador e não representam uma ameaça à segurança. Tal como acontece com os ficheiros, é possível enviar software malicioso disfarçado de cookie.

Correio electrónico – Sistema de envio de mensagens através de uma rede Internet ou Internet que permite a transmissão quase instantânea das mensagens e o envio de mensagens simultaneamente para vários destinatários.

CPU – Central Processing Unit - Unidade central de processamento – os processadores, que funcionam como o «cérebro» dos computadores, e que executam as instruções do software (programas ou aplicações informáticas)

Crash – Situação de bloqueio e/ou paragem de funcionamento de um computador ou sistema informático.

Criptografia – Processo para proteger a informação de acesso não autorizados, com utilização de um código secreto que torna a informação inacessível a terceiros que não sejam os destinatários.

CRM – Customer Relatioship Management (gestão de relações com clientes) – software empresarial que gere os processos comerciais e de outras relações com os clientes e que coloca o cliente no centro do processo de negócio.