Alcatel-Lucent reclama liderança no LTE

Publicado em 30/03/2010 13:17 em Indústria

A Alcatel-Lucent, com quatro dezenas de contratos e testes, poderá reclamar uma posição vencedora na tecnologia LTE e anunciou há uma semana um novo contrato desta tecnologia com a norte-americana AT&T, um ano depois de ter ganho o primeiro contrato com a Verizon, também dos Estados Unidos.



Entre os operadores ligados à Alcatel-Lucent na tecnologia LTE, contam-se a China Mobile, a espanhola Telefonica e a francesa Orange.



Falando em conferência de imprensa da Alcatel-Lucent no Congresso Mundial das Comunicações Móveis, em Barcelona, John Donovan, administrador da AT&T, explicou que a estratégia da operadora foi procurar um parceiro que a ajudasse a migrar da tecnologia actual para o LTE.



Observou que a AT&T vai continuar a desenvolver a sua rede HSPA (High Speed Packet Access, banda larga móvel), para garantir um transição suave para o LTE.



Para o presidente da Alcatel-Lucent, Kenneth Frank, o êxito da companhia franco‑norte‑americana baseia-se em três princípios: redes muito alavancadas, disponibilidade de aplicações e visão transformadora.



No plano das aplicações, Kenneth Frank anunciou melhorias na Application Exposure Suite, que foi apresentada em Dezembro, como uma plataforma baseada em «núvem» (tecnologias que permitem compartilhar um conjunto de programas e ferramentas informáticas através da Internet), capaz de permitir uma utilização mais eficiente dos recursos da rede e proporcionar um conjunto de novos serviços que permitem de criar valor.



Já no decorrer do Congresso, a Alcatel-Lucent anunciou dois novos contratos, um de outsourcing das operações de rede do operador búlgaro Vivacom por cinco anos, outro com o operador alemão KPN para consultoria no programa de transformação da rede e negócio da empresa.



A tecnologia LTE (Long Term Evolution), cuja normalização só ficou concluída em Dezembro de 2008, baseia-se na associação das novas tecnologias de acesso rádio OFDM (OrthogonalFrequency Division Multiplexing) e MIMO (Multiple Input, Multiple Output), que permitem praticamente eliminar interferências e aumentar a eficiência da transmissão, e utiliza uma nova arquitectura de rede baseada em IP (protocolo Internet).



Analistas do sector afirmam que a tecnologia LTE garante a competitividade do 3G para os próximos 10 anos, permitindo aumentar a capacidade, reduzir a complexidade das redes e assim baixar os custos de implementação e operação.



Vai permitir aos operadores corresponderem à crescente procura de transmissão móvel de dados e fornecer serviços mais complexos com custos mais baixos.

Ainda sem comentários