Receitas da Vodafone cresceram 3,2% no ano fiscal 2011

Publicado em 18/05/2011 00:55 em Geral

A Vodafone anunciou que as suas receitas cresceram 3,2% no ano fiscal de 2011, terminado em 31 de Março, atingindo 45,88 mil milhões de libras (52,36 mil milhões de euros), correspondente a um crescimento orgânico de 2,8%.

Os lucros do operador multinacional britânico de telecomunicações foram de 7,87 mil milhões de libras (8,98 mil milhões de euros), um decréscimo de 8,7% face ao ano fiscal de 2010.

As receitas de serviços do grupo cresceram 2,4% no ano fiscal de 2011, para 42,74 mil milhões de libras (48,77 mil milhões de euros), com um recuo de 3,4% no conjunto das filiais situadas na Europa Ocidental, para 30,1 mil milhões de libras (34,35 mil milhões de euros) e um aumento de 20,0% na África, Médio Oriente e Ásia/Pacífico, para 12,29 mil milhões de libras (14,03 mil milhões de euros).

Em comunicado de resultados, a Vodafone adianta que os seus resultados operacionais cresceram 3,1%, para 11,81 mil milhões de libras (13,46 mil milhões de euros).

O presidente executivo da Vodafone, Vittorio Colao, citado no comunicado, sublinha que no ano fiscal passado teve fortes performances na área de dados, nos mercados emergentes e no sector empresarial e ganhou quota de mercado na maioria dos países em que está presente.

Destaca o aumento da adopção de serviços de dados pelos consumidores com a proliferação dos smartphones e quando os tablet PC começam a surgir.

Vittorio Colao afirma que o investimento da Vodafone nas redes móveis foi um factor diferenciador e a empresa está a liderar a migração para smartphones na maioria das operações europeias da Vodafone.

As receitas de dados móveis cresceram 26,4% no ano fiscal de 2011, para 5,1 mil milhões de libras, e representaram 12,0% das receitas totais.

As receitas do segmento empresarial aumentaram 0,5% no ano fiscal e atingiram 29,5% das receitas totais.

Vittorio Colao salienta que a Vodafone inicia 2012 numa posição forte, com as quotas de mercado a manterem-se ou aumentaram na maioria dos principais países, com liderança na migração para smartphones e nos serviços de dados e investimentos na qualidade das redes e no desenvolvimento de novos serviços.

O CEO da Vodafone adverte que a empresa continua a enfrentar condições macroeconómicas desafiantes e estima que os cortes do reguladores dos países da Europa do Sul representem uma redução de cerca de 2,5 pontos percentuais no volume de negócios de 2012.

Prevê que os resultados operacionais deverão situar-se entre 11,0 mil milhões e 11,8 mil milhões de libras.

A Vodafone indica que tem 358,86 milhões de clientes directos, 78,6% dos quais com cartões pré-pagos, dos quais 148,53 milhões na Europa (96,84 milhões na Europa Ocidental), e 206,99 milhões na África, Médio Oriente e Ásia/Pacífico, que inclui 124,26 milhões de subscrições na Índia.

Ainda sem comentários