Lucros da Ericsson mais do que triplicam no primeiro trimestre

Publicado em 27/04/2011 15:14 em Indústria

A multinacional fabricante de telecomunicações Ericsson anunciou hoje lucros de 4,1 mil milhões de coroas suecas (457 milhões de euros), um aumento homólogo de 220%.

Em comunicado de divulgação dos resultados, a companhia sueca indica que as vendas cresceram 17% e atingiram os 53,0 mil milhões de coroas suecas (5,9 mil milhões de euros).

O crescimento do volume de negócios do grupo foi dinamizado pelo segmento de redes de telecomunicações, cujas vendas cresceram 35%.

Por regiões, as receitas da Ericsson cresceram 74% na China e Nordeste da Ásia, 46% no Norte da Europa e Ásia Central, 39% na América do Norte, 38% na Índia e 1% na América Latina.

Pelo contrário, as vendas baixaram 22% no Médio Oriente, caíram 12% no Sueste da Ásia e Oceânia, reduziram-se 9% na África Subsaariana, recuaram 8% na Europa Ocidental e Central e desceram 5% na região mediterrânica.

A companhia garante que em 2010 ganhou quota de mercado na terceira geração móvel (3G) e pelo menos manteve a sua quota nas redes de quarta geração (LTE - Long Term Evolution) acima de 50%.

Hans Vestberg, presidente da Ericsson, sublinha que as redes GSM (de segunda geração móvel) vão continuar a existir por muitos anos mas destacou que os investimentos mais fortes se verificam na terceira e quarta gerações móveis.

A companhia aponta como principais riscos para os próximos seis meses a falta de vontade dos operadores para investir no desenvolvimento das redes, devido ao fraco ambiente económico e à incerteza nos mercados financeiros, as dificuldades de acesso ao crédito e a fraca despesa dos consumidores.

A Ericsson indica que passou de 86 500 trabalhadores no fim de Março do ano passado para 91 500 no mesmo período de 2011 e o emprego aumentou em 1 200 durante o primeiro trimestre. O aumento de postos de trabalho não foi uniforme e verificou-se principalmente no Brasil, Índia e China, enquanto na Europa Ocidental se verificou mesmo um recuo do total de trabalhadores.

Ainda sem comentários