Google pretende carteira de patentes da falida Nortel

Publicado em 05/04/2011 19:01 em Software

A Google foi escolhida pela administração da fabricante de equipamentos de telecomunicações canadiana Nortel Networks, em processo de insolvência, como proposta inicial do leilão para a compra da totalidade das cerca de 6 mil patentes registadas pela Nortel, indicou a empresa em falência.

Em comunicado publicado no seu sítio Internet, a Nortel indica que a Google ofereceu 900 milhões de dólares dos EUA (633 milhões de euros) e foi escolhida como «stalking horse», isto é, a empresa que tem a proposta inicial do leilão, o que lhe confere algumas vantagens.

Os credores da Nortel esperam recuperar 1 000 milhões de dólares (703 milhões de euros) de créditos com a venda das patentes, que é hoje o principal activo que a companhia canadiana ainda detém.

A Nortel espera que a proposta da Google leve outras companhias, designadamente a canadiana Reasearch in Motion (RIM), que produz os smartphones Blackberry, a entrar na disputa e apresentar propostas mais altas no leilão marcado para Junho.

A Nortel indica que a escolha da Google se segue rondas de conversações confidenciais com várias companhias de todo o mundo interessadas nas suas patentes.

O processo terá ainda de ter o acordo do tribunal de falências de Delaware (Estados Unidos) e do Supremo Tribunal de Justiça de Ontário (Canadá), onde a empresa em insolvência tem a sua sede.

As patentes e aplicações patenteadas da Nortel, empresa cuja história remonta ao fim do século XIX, incluem redes com e sem fios, patentes de telefonia móvel da quarta geração, redes de dados, transmissão óptica e semi-condutores, entre outros domínios.

Numa declaração colocada no seu blogue oficial, a Google recorda que é uma empresa relativamente recente e, embora tenha um número crescente de patentes, muitos dos seus competidores têm uma carteira de patentes superior, dado terem histórias mais longas.

Há dias a Nortel vendeu à Microsoft por 7,5 milhões de dólares (5,3 milhões de euros) um lote de 666 624 endereços Internet IPv4 (Internet Protocol versão 4), o que significa cerca de 11,25 dólares (7,91 euros) por endereço.

Com as empresas a porem ainda em ordem os seus planos de transição do IPv4 para o IPv6 e com os últimos endereços distribuídos às suas organizações regionais pela entidade que gere os endereços Internet (IANA) a 1 de Fevereiro passado, os endereços IPv4 são um bem escasso, logo caro, de que fabricantes, como a Microsoft, ou fornecedores de serviços necessitam para os seus clientes.

Ainda sem comentários