Móvel: ARPU caiu 20% na União Europeia nos últimos três anos

Publicado em 12/03/2011 23:26 em Operadores / Serviços

A receita média por cliente (ARPU) dos operadores de comunicações móveis desceu 20% na União Europeia (UE) nos últimos três anos, passando de 25 euros em 2007 para 20 euros em 2010, revela um relatório da consultora Wireless Intelligence.

Aquela consultora salienta que o aumento das receitas de dados móveis foi insuficiente para compensar a clara queda das receitas de voz, que se deveu principalmente à queda do preço médio por minuto de 16 cêntimos para 14 cêntimos.

Decisões regulatórias com a descida de tarifas de interligação e do preço das comunicações de voz em roaming contribuiram para acentuar a queda de receitas de voz.

A Wireless Intelligence salienta que a maior parte dos operadores móveis europeus apostou no crescimento das comunicações de dados móveis como ferramenta cheve para compensar a perda de receitas de voz, observando que o ARPU de serviços não voz, incluindo mensagens, aumentou em média dos 27 apenas 1 euro, para cerca de 6 euros.

Acrescenta que as receitas médias por cliente dos serviços de dados móveis duplicaram em três anos na UE, mas ainda ficaram abaixo dos três euros e representam apenas 15% do ARPU total.

A aposta nos dados móveis está agora no coração da estratégia de crescimento dos maiores operadores móveis europeus, indica a consultora.

A Wireless Intelligence salienta que nos mercados maduros da União Europeia, as receitas não voz dos grandes operadores móveis representam cerca de um terço das receitas totais de serviços e deverão dentro de cinco anos atingir um nível semelhante ao do mercado japonês (metade das receitas totais).

Tudo isto acontece num contexto de saturação dos mercados, com perspectivas de as receitas de voz continuarem a cair, e numa altura em que são necessários elevados investimentos na rede para melhorar a sua qualidade e satisfazer o crescimento da procura, acrescenta a consultora.

O LTE (Long Term Evolution, quarta geração móvel) tenderá a implicar investimentos acrescidos.

Ainda sem comentários