Laboratório num chip controlado remotamente

Publicado em 21/02/2011 16:17 em Outras Tecnologias

A Universidade da Califórnia desenvolveu em San Diego um chip que funciona como um laboratório para experiências de electroforese e que pode ser controlado à distância utilizando uma frequência rádio facilmente disponível.

A equipa de Wen Qiao, em San Diego, criou um chip microfluido imprimindo um circuito numa folha de plástico e colocou dentro do circuito uma câmara com pequenos buracos e preenchida com nanopartículas carregadas negativamente.

As nanopartículas distribuiam-se ao acaso mas quando, utilizando a tecnologia RFID (radiofrequency identification, uma tecnologia muito barata utilizada em sistemas como a via verde ou para identificação de produtos em armazéns, entre outras aplicações), foi induzido um campo eléctrico, as partículas foram capturadas nos buracos carregados negativamente.

A electroforese é uma técnica que usa umn campo elécrtico para manipular partículas carregadas electricamente e os cientistas começaram a desenvolver microdispositivos para estas experiências. No entanto, estas experiência requeriam equipamentos eléctricos de dimensões excessivas.

A equipa de Qiao conseguiu desenvolver estas experiências activando o chip com um leitor RFID, de pequenas dimensões. O sistema, ligado a um microscópio electrónico com câmara de filmar, permite seguir e registar os movimentos das nanopartículas.

O próximo passo da equipa universitária de investigação de San Diego chefiada por Wen Qiao é desenvolver chips microfluidos com esta tecnologia capazes de diagnosticarem doenças.

Ainda sem comentários