Facturação da Capgemini cresceu em 2018, lucros estabilizaram

Publicado em 21/02/2019 00:18 em Geral

A consultora tecnológica Capgemini anunciou um volume de negócios de 13 197 milhões de euros no ano passado, um aumento de 5,4% (8,1% a taxas de câmbio constante) e lucros de 730 milhões de euros.

Os lucros reduziram-se face ao ano anterior devido ao acréscimo de impostos a pagar, indica a companhia.

O presidente e CEO do grupo, Paul Hermelini, citado no comunicado de resultados, destaca que a multinacional francesa manteve um crescimento sustentado e aumentou a rentabilidade, com todas as regiões a contribuírem para a dinâmica positiva.

Hermelini destaca que a consultora atingiu em 2018 todas as metas que tinha definido, incluindo as de vendas, que foram sendo revistas em alta ao longo do ano, e admite que as ofertas de serviços de digital e cloud representem, em breve metade do volume de negócios da companhia.

A Capgemini revela que a sua margem operacional atingiu no ano passado 1597 milhões de euros, mais 7% do que em 2017, o que representou 12,1% da facturação.

Indica que a Europa continental, em primeiro lugar, e as regiões Ásia/Pacífico e América Latina foram as principais responsáveis pelo «excelente desempenho operacional».

A Capgemini adianta que no ano passado investiu 461 milhões de euros em aquisições e alocou 464 milhões de euros para aquisição de acções próprias e para neutralizar a dlluição do capital resultante do quinto plano de participação dos trabalhadores no capital da companhia.

Para 2019, o grupo pretende acelerar o seu crescimento, com uma progressão do seu volume de negócios entre 5,5% e 8% a câmbio constante, e aumentar a sua taxa de rentabilidade para uma margem operacional de 12,3% a 12,6% do volume de negócios.

A Capgemini indica que a região América do Norte, que representa 32% do volume de negócios do grupo, foi a mais dinâmica, com um aumento de 14,4% do volume de negócios a taxa de câmbio constante, beneficiando das aquisições realizadas na área do digital.

Adianta que em França, responsável por 22% das receitas totais da companhia, verificou-se um acréscimo de 6,4% nas receitas devido à procura de Application Services ligados ao digital e à computação na nuvem (cloud), com aumentos acima de 10% no retalho e na energia e utilities.

No resto da Europa, responsável por 27% das receitas da consultora tecnológica, as receitas cresceram 6,9% a câmbio constante, com aumento em todos os países, com destaque para a Alemanha e países escandinavos onde as taxas de crescimento se aproximaram dos 10%.

Na Ásia/Pacífico e América Latina, que representam 7% da facturação da Capgemini, as receitas cresceram 6,0% a taxas de câmbio constantes, beneficiando da dinâmica do sector da indústria asiática.

Em 31 de Dezembro passado, o grupo totalizava 211 300 trabalhadores em mais de 40 países, um aumento de 5,8%, dos quais 122 mil (58%) nos seus centros offshore.

A Capgemini anunciou, entretanto, «uma contrato milionário», por três anos, com a multinacional de energia Equinor, para optimizar as suas operações e acelerar a transformação digital da empresa a nível mundial, com um valor de vários milhões de euros.

Indica que os dois grupos tinham já um acordo de parceria estratégica por um período de cinco anos assinado em 2014.

Ainda sem comentários