PR deixa três novos desafios para 2019 à Web Summit

Publicado em 09/11/2018 02:52 em Web Summit

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou quinta-feira que os desafios que deixou em 2017 no encerramento do Web Summit foram superados.

Falando na sessão de encerramento da Web Summit 2018, o PR deixou também três novos desafios para 2019.

O Chefe de Estado indicou que o primeiro desafio que deixou em 2018, de manter a conferência em Portugal, foi superado graças ao Paddy, à Faye (mulher de Cosgrave), ao presidente da Câmara de Lisboa e ao Governo, e graças a todos os participantes.

Acrescentou que o desafio de prosseguir a revolução digital foi conseguido graças às startups, tal como foi atingido o terceiro desafio de tornar as pessoas mais conscientes de que as alterações climáticas não eram ficção nem «fake news», eram reais.

Este ano, Marcelo Rebelo de Sousa deixou mais três desafios para 2019, o primeiro dos quais é durante os próximos 10 anos de Web Summit fazer em cada ano melhor do que no ano anterior e diferente e criar em Portugal uma plataforma digital e não só um evento que dure uns dias.

O PR considerou que o digital é muito importante se servir as pessoas comuns e as comunidades e não deixar ninguém de fora e o segundo desafio para 2019 é que a educação digital, uma questão crucial, não deve ser apenas para as gerações mais jovens mas também o resto da sociedade, evitando clivagens, nomeadamente em função da idade.

Para o Chefe de Estado português, o digital é sobre liberdade, sociedades abertas, diálogo e tolerância, e observou que vemos em todo o mundo exactamente o contrário.

Vemos xenofobia, intolerância, sociedades e economias fechadas, obstáculos ao comércio, fronteiras fechadas, acrescentou.

Como terceiro desafio, disse que cabe a todos nós, cabe a todos vós, usar a revolução digital para o diálogo, para a paz, para abrir sociedades e economias.

Acrescentou que é por isso que devemos lutar por valores e princípios, pela liberdade, pelo multilateralismo contra o unilateralismo, pela paz, uma mensagem que os participantes da conferência devem levar a todo o mundo para ajudarem a criar um mundo melhor.

Os dados da organização indicam que a conferência trouxe a Lisboa 69 304 participantes de 159 países e mais de 2600 jornalistas, teve a participação de mais de 1200 oradores internacionais e a presença de mais de 1800 startups.

A estimativa é que tenham sido percorridos no recinto mais de 935 mil quilómetros, que tenham sido servidos mais de 360 mil cafés, que tenham ocorrido mais de 550 mil conversas e trocadas na app da Web Summit mais de 180 mil mensagens.

Na quinta-feira foi anunciado que a empresa vencedora da competição «Pitch», que consiste numa apresentação muito breve da startup e dos seus objectivos, foi a britânica Wayve, de Cambridge, que está a desenvolver um software para carros autónomos.

Ainda sem comentários