Oracle com base de dados autónoma na nuvem

Publicado em 11/05/2018 01:08 em Empresas

O director-geral da Oracle Portugal, Hugo Abreu, afirmou hoje que muitos clientes da companhia vão tirar benefícios das tecnologias de serviços autónomos, com respostas mais rápidas e que vão permitir novos modelos de negócio no futuro.

Em encontro com a imprensa, Hugo Abreu revelou que já há clientes em Portugal a experimentarem este nível de tecnologias.

Indicou que a base de dados autónoma, que a multinacional garante ser única no mercado mundial, está disponível apenas na nuvem e tem um conjunto de serviços desenvolvidos em torno dela, utilizando inteligência artificial e «machine learning».

O director-geral da Oracle Portugal indicou que a companhia quer uma liderança baseada naquelas tecnologias, que são principalmente para empresas com dimensão e complexidade para beneficiarem daquele tipo de serviço.

João Borrego, director de vendas da Oracle Portugal, precisou que as bases de dados permitem automatismo em matérias que são repetitivas e comuns aos clientes de bases de dados em todo o mundo, e que permitirão aos clientes concentrarem-se no negócio principal da empresa e deixar para essas tecnologias tarefas que não criam valor, como as actualizações de software, cópias de segurança ou patching.

Indicou que os preços destas bases de dados autónomas na nuvem variam em função do serviço que é prestado.

Adiantou que há hospitais, organismos do sector público e instituições financeiras a utilizarem já essas capacidades de automatismo.

Hugo Abreu sustentou que os serviços autónomos têm boas perspectivas em Portugal, observando que as empresas não estão a contratar mais profissionais de tecnologias de informação (TI), quando muito estão a manter o número de trabalhadores dessas áreas, e esses profissionais têm cada vez mais tecnologia para gerir.

Salientou que a automatização ajuda a lidar com esse aumento de carga de trabalho.

Hugo Abreu defendeu que as componentes de manutenção das tecnologias, como actualizações ou cópias de segurança, têm custos elevados para as empresas e a automatização permite reduzir os custos dessas componentes.

O director-geral em Portugal anunciou que os comerciais da empresa vão abordar todos os clientes com bases de dados Oracle em Portugal para abordarem quais as áreas em que as novas tecnologias de bases de dados autónomas podem beneficiar os clientes.

Quanto ao Regulamento Geral de Protecção de Dados (RGPD) da União Europeia, o responsável da Oracle Portugal acentuou que os produtos da Oracle já respondem aos requisitos do RGPD e do ponto de vista da tecnologia não há alteração.

Quanto à situação do mercado português de TI, Hugo Abreu afirmou que a economia está a crescer, há mais confiança e isso permite um melhor clima de negócios, mas há sectores que estão a recuperar mais lentamente e vão demorar mais a ultrapassar os problemas dos tempos da crise,

Citou os exemplos da banca, que vai demorar anos a recuperar, e do sector das telecomunicações, que é muito competitivo

Hugo Abreu sublinhou que as coisas estão melhores para o sector das TI em Portugal, «mas não é nada de disruptivo, pelo menos para o negócio da Oracle em Portugal», mas garantiu que o negócio da companhia tem corrido bem em Portugal, dentro das expectativas.

O director-geral da Oracle Portugal afirmou que o negócio «cloud» continua a crescer, o seu peso no negócio total da multinacional está entre 12% e 15% e em Portugal será apenas «um bocadinho menos».

Hugo Abreu revelou que a Oracle tem cerca de 210 trabalhadores em Portugal, dos quais quase metade trabalham para áreas internacionais e cerca de quatro dezenas estão a fazer desenvolvimento tecnológico.

«Os técnicos da Oracle Portugal são muito reconhecidos lá fora» acrescentou.

A Oracle anunciou que a Oracle Autonomous Database é uma tecnologia transformadora e com uma oferta única no mercado, com funcionalidades autónomas de gestão, segurança e reparação que revolucionaram a forma como os clientes da multinacional gerem os seus dados.

A multinacional refere que os novos serviços autónomos disponibilizados incluem o Oracle Autonomous Analytics Cloud, o Oracle Autonomous Integration Cloud e o Oracle Autonomous Visual Builder Cloud, que dotam as empresas dos recursos necessários para desenvolverem facilmente aplicações modernas e integrarem e analisarem dados críticos da organização.

No caso do Visual Builder, essa ferramenta ajuda a acelerar o desenvolvimento e disponibilização de aplicações nas plataformas móveis e na Internet, automatizando a geração de códigos utilizando os mais recentes standards tecnológicos disponíveis.

Ainda sem comentários