Konica Minolta apresenta soluções de segurança para impressão

Publicado em 10/05/2018 23:34 em Segurança Informática

A multinacional fabricante de produtos e soluções de impressão Konica Minolta e a empresa britânica de segurança informática Sophos apresentaram hoje soluções para ajudar as empresas a enfrentar os desafios postos pelo novo Regulamento Geral de Protecção de Dados (GDPR) da União Europeia, aplicável a partir de 25 de Maio.

Em encontro com jornalistas, Paulo Sanches, responsável pela área de soluções de impressão da Konica Minolta, indicou que a multinacional tem um conjunto de soluções que endereçam ao GDPR.

Paulo Sanches observou que o grande drama de muitas organizações é que há tanta informação e em locais tão diversos (plataformas de terceiros na nuvem, parceiros, dispositivos móveis utilizados por trabalhadores, por exemplo) que é difícil saber onde estão os dados.

Sublinhou os riscos de documentos impressos que não são retirados das impressoras, documentos digitalizados em multifunções que ficam nos seus discos rígidos, problemas de segurança das redes informáticas e considerou que é fácil entrar em equipamentos de impressão para retirar dados.

Paulo Sanches garantiu que a companhia tem soluções para todos os tipos de clientes e para gestão de equipamentos de impressão, como apenas imprimirem após autenticação do utilizador, os documentos ficaram residentes num servidor e não nas multifunções, encriptação dos documentos e serem apagados ao fim de algum tempo.

Carolina Afonso, directora de marketing da Konica Minolta, enumerou um conjunto de direitos dos utilizadores e de obrigações das empresas previstos no RGPD, incluindo medidas para prevenir perda de dados, e cujo não cumprimento pode dar origem a coimas que vão até 4% do volume de negócios anual mundial de uma organização ou até 20 milhões de euros.

João Moura, responsável de gestão documental da companhia em Portugal, adiantou que uma das funcionalidades de segurança é a plataforma Dokoni Find, que permite de forma muito rápida localizar onde se encontram residentes os dados sobre uma pessoa ou um cliente, por exemplo.

Tiago Vieira, gestor de infra-estruturas tecnológicas da Konica Minolta, destacou que se os dados forem protegidos numa multifunções mas não noutros locais ou se houver vulnerabilidade a intrusões os dados continuam a estar em risco.

Tiago Vieira sustentou que «a imaginação dos hackers é extraordinária» e quando os seus métodos são descobertos muitas vezes já estão a mudar de paradigma e defendeu que para combater essa situação a solução passa por utilizar inteligência artificial para detectar padrões comportamentais que indiciam ataques informáticos.

Os responsáveis da Konica Minolta, para além da funcionalidade Dokoni Find, apresentaram a funcionalidade bizhub Secure, que se certifica de que todos os documentos estão seguros, o que muitas vezes passa apenas por activar opções que os equipamentos já têm incorporadas.

Esta solução protege os dados na multifuncional e no disco rígido, indicaram.

Reconheceram que os equipamentos multifunções (impressora, digitalizador, fax e fotocopiadora) são um dos pontos críticos a nível de falhas e segurança.

Inma Martinez, gestora de canal da Sophos para Portugal, disse que as pessoas não compreendem a totalidade das ameaças informáticas que enfrentam, incluindo formas novas de ataque que ainda não foram identificadas, e indicou que no ano passado as mega quebras de segurança informática provocaram ás empresas a perda de 1,7 mil milhões de registos de dados.

Recordou que dados que há alguns anos estavam apenas residentes nos sistemas informáticos das empresas, estão hoje em diferentes sítios como a nuvem, equipamentos móveis, incluindo computadores portáteis, tablets, smartphones ou discos externos.

Inma Martinez afirmou que os ataques informáticos mudaram muito, hoje focam se muito em «exploits» de falhas de software e os custos dos ataques de ransomware, que em 2017 atingiram 54% das organizações, ascendem a milhares de milhões de dólares por ano.

A existência na Internet de plataformas que vendem malware como um serviço tornam fácil que pessoas sem conhecimentos avançados de informática acedam a códigos maliciosos e os distribuam.

Indicou que hoje uma em cada 131 mensagens de correio electrónico contém malware.

Inma Martinez assinalou que 95% das ameaças são malware tradicional mas que, apesar de as ameaças avançadas serem apenas 5%, estas são o mais preocupante.

Indicou que a Sophos tem mais de uma dezena de módulos de soluções de segurança para fazer face às diversas necessidades de segurança informática das empresas.

Os responsáveis da Konica Minolta Portugal indicaram que a filial tem sede em Lisboa e escritórios no Porto, Coimbra e Faro, tem 170 trabalhadores no país e garante a cobertura de todo o território português, incluindo regiões autónomas.

Ainda sem comentários