Clever House investiu 150 mil euros em investigação em 2010

Publicado em 15/12/2010 00:15 em Geral

A empresa portuguesa Clever House, que se dedica à comercialização de soluções tecnológicas que facilitem o dia a dia das pessoas, investiu 150 mmil euros em investigação e desenvolvimento este ano e deverá investir mais de 200 mil euros em 2011, revelou ao Falar de Tecnologia José Luís Ribeiro.

O responsável da Clever House salientou que estão a ser desenvolvidos em parceria com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e outras entidades e apoiados financeiramente pela Agência de Inovação dois novos robots, projectos que estarão concluídos um no princípio de 2011 e outro durante 2012.

A empresa promoveu hoje uma «competição entre dois robots aspiradores, um da marca Roomba, representada pela Clever House, e outro de uma marca concorrente, cabendo aos jornalistas aferir qual o que tinha melhor comportamento em vários itens, verificando-se que o Roomba se impôs em quase todos.

A empresa é representante e comercializa robots de aspiração e de lavagem, robots corta relvas, e robots de lazer e de brincar, incluindo um relógio despertador que salta para o chão e obriga os mais preguiçosos a levantarem-se para o travar e calar.

A empresa do Porto foi criada em 2006 vocacionada para dois campos: a domótica, para construção de casas inteligentes, e a robótica, com robots para facilitar a vida diária das pessoas.

A empresa lançou-se no desenvolvimento de um robot para promoções em superfícies comerciais, em parceria com a FEUP, um projecto que está completo mas que só deverá ter a primeira unidade final no primeiro trimestre de 2011, indicou José Ribeiro.

O robot promocional permite ver publicidade em movimento e chamar a atenção para um produto de uma forma não invasiva, complementando o trabalho de promotores nas superfícies comerciais, indicou.

José Luís Ribeiro previu a existência de três unidades, que numa primeira fase serão testados para promoção de produtos comercializados pela Clever House, e serão posteriormente alugados a empresas nacionais interessadas, não estando excluída a venda mas apenas para o estrangeiro.

O segundo projecto é um robot de vigilância, equipado com câmaras e com sensores de fumo e gás, por exemplo, uma parceria entre a FEUP, o instituto de investigação INESC Porto, e a empresa de segurança portuguesa Strong, num investimento de 1,2 milhões de euros, apoiado pela Agência de Inovação, revelou.

Este projecto deverá estar concluído em 2012, precisou.

O responsável da empresa garantiu que vai ser montada uma estrutura própria da Clever House para a produção dos robots em desenvolvimento, com contratação de pessoal para o seu fabrico, com uma dimensão que dependerá da procura.

José Luís Ribeiro afirmou que a Clever House teve em 2009 e 2010 um volume de negócios da ordem do milhão de euros e espera duplicar a facturação em 2011 apesar da previsão de crise económica, sem incluir os novos projectos.

A empresa tem lucros desde 2007 e teve resultados líquidos superiores a 20 mil euros no ano passado, precisou.

A Clever House, com sede no Porto, tem cinco trabalhadores nos seus quadros e seis externos para as áreas da comercialização e manutenção, admitindo fazer contratações em 2011, segundo José Ribeiro.

Ainda sem comentários