Phablets serão maioria smartphones em 2019

Phablets serão maioria smartphones em 2019Publicado em 29/11/2017 23:32 em Equipamentos

Os phablets (smartphones com ecrãs entre 5,5 e 7 polegadas) deverão representar a maior fatia de vendas de smartphones a partir de 2019, segundo uma previsão da consultora e analista de mercados IDC.

O estudo da IDC antecipa que as vendas de phablets deverão passar de 611 milhões de unidades em 2017 para mil milhões de unidades em 2021, um crescimento médio anual acumulado (CAGR, na sigla inglesa) de 18,1%.

Acrescenta que o mercado total deverá crescer com um CAGR de 3,0%, passando 1,5 mil milhões de unidades em 2017 para 1,7 mil milhões em 2021, mas as vendas de smartphones com ecrãs de menos de 5,5 polegadas deverão cair 7,4% naquele período.

A IDC indica que reduziu as suas expectativas de crescimentos anuais de vendas de smartphones no período 2018/2021 para 1 a 1,5%, com as maiores alterações a verificarem-se nas previsões para a China, Médio Oriente e África.

Ryan Reith, vice-presidente da IDC, sublinha que os phabletes representavam apenas 1% do mercado em 2012 mas aproximam-se agora dos 50%, num espaço de poucos anos.

A consultora sublinha que o domínio inicial da Samsung nos smartphones de grandes ecrãs foi de curta duração e outros fabricantes, muitos dos quais chineses, rapidamente adoptaram os grandes ecrãs nos segmentos altos e mesmo em equipamentos de gama mais baixa.

Como resultado, a China consumiu metade dos 437,4 milhões de phablets produzidos no ano passado e deverá crescer a um CAGR de 12,6%, mantendo-se como o maior mercado de smartphones com ecrãs de mais de 5,5 polegadas.

A IDC sublinha que a Apple fez uma aposta na gama dos phablets e espera que o iPhone X e os modelos Plus representem mais de 41% das vendas da marca da maçã este ano e ultrapassem os 50% em 2018 e, se os rumores recentes de uma aposta em maiores ecrãs para os iPhones no próximo ano se confirmarem, provavelmente o seu peso será maior.

Anthony Scarsella, director da IDC destaca que os últimos smartphones estrela da Samsung, Apple, Google, LG e de outros levaram pela primeira vez os preços dos telefones topo de gama para um patamar acime dos 850 euros e, embora muitos consumidores não tenham capacidade para pagar esse preço, os planos de financiamento com pagamentos a prestações e as campanhas de trocas estão a torná los acessíveis a mais consumidores em muitos mercados.

A IDC estima que o preço médio de venda dos smartphones poderá passar de 282 dólares (238 euros) em 2016 para 317 dólares (267 euros) em 2021, um CAGR de 2,3%.

A IDC prevê que a quota de mercado do Android se mantenha em torno dos 85% entre 2017 e 2021, enquanto a do sistema operativo iOS, da Apple, ficará ligeiramente abaixo dos 15% nesse período, ambos com crescimentos acima de 3%, com os restantes sistemas operativos praticamente sem expressão, somando 0,1% ou menos.

Ainda sem comentários