Portuguesa Aptoide com 4 mil milhões downloads

Portuguesa Aptoide com 4 mil milhões downloadsPublicado em 14/09/2017 00:22 em Software

A app store portuguesa Aptoide, especializada em aplicações para Android, anunciou que atingiu 200 milhões de utilizadores em todo o mundo e que já registou até agora 4 mil milhões de downloads.

Em comunicado, a empresa afirma que é hoje uma das maiores lojas de apps, com quase mil milhões de aplicações disponíveis, e prevê que em 2017 atinja os mil milhões de aplicações descarregadas da sua loja online, um recorde anual.

Álvaro Pinto, co-fundador da startup nacional, afirma que cerca de 60% dos seus clientes são de mercados emergentes e que a aposta da Aptoide é em países como o Brasil, Índia, México e Venezuela.

Destaca que uma das razões para a popularidade da Aptoide nos mercados emergentes é o facto de oferecer métodos de pagamento alternativos ao cartão de crédito.

Álvaro Pinto adianta que, a pensar nos mercados emergentes, a empresa desenvolveu soluções como Aptoide Lite, que permite aos seus utilizadores beneficiar de versões que consomem menos dados e ocupam menos espaço de memória.

A tecnológica revela que tem vindo a estabelecer parcerias em todo o mundo com fabricantes de telemóveis e operadores de telecomunicações.

Indica que a maioria dos seus cerca de 200 milhões de utilizadores são jovens e que a aplicação é desenhada a pensar no público jovem, uma vez que os downloads das apps e jogos pode ser feito sem que o utilizador tenha de fornecer qualquer tipo de dados pessoais.

O comunicado indica que a Aptoide se formou em 2011 como um «spin off» da Caixa Mágica, uma empresa produtora de software baseado em Linux, a partir de um projecto dinamizado por Paulo Trezentos, um fundador da Caixa Mágica.

A Aptoide funciona como uma plataforma para a comunidade de programadores que desenvolvem aplicações, atingiu resultados operacionais equilibrados em 2015 e no início de 2016 angariou 4,5 milhões de euros de financiamentos.

A empresa indica que triplicou o emprego desde 2015, que actualmente 85% dos seus trabalhadores são portugueses e 15% estrangeiros e que conta com três escritórios, em Lisboa, Singapura e Shenzhen.

Ainda sem comentários