Xiaomi liderou mercado wearables II trimestre

Xiaomi liderou mercado wearables II trimestrePublicado em 12/08/2017 00:02 em Indústria

A Xiaomi passou a liderar no segundo trimestre o mercado de wearables, com 3,5 milhões de unidades vendidas, seguida da Fitbit, cujas vendas baixaram 34% homólogos, para 3,3 milhões de wearables, estima a consultora e analista de mercados Canalys.

A Canalys indica que a Apple, que só produz relógios inteligentes, passou para o terceiro lugar com uma produção de 2,7 milhões de Apple Watch, mantendo a liderança nos wearables inteligentes.

A analista assinala que a Xiaomi e a Fitbit vendem predominantemente bandas de fitness e a Xiaomi beneficiou da expansão da disponibilidade dos seus produtos na Europa e Ásia/Pacífico.

A Canalys antecipa que no segundo semestre haverá uma dinamização do mercado mundial de smartwatches, que poderão atingir uma produção de 12 milhões de unidades.

Acrescenta que se espera que a Apple inclua capacidades de celular na próxima revisão do Apple Watch e segure a sua posição como actor chave naquele mercado.

A expectativa que rodeou os smartwatches teve vida curta e o mercado deverá agora focar-se numa utilização atraente para estimular a procura, assinala Mo Jia, analista da Canalys.

Adianta que fabricantes chineses, incluindo Xiaotiancai e 360, lançaram smartwatches baseados no sistema operativo Android, da Google, que correm em redes de quarta geração LTE que permitem aos pais ter sempre os filhos sob controlo.

«A chegada dos novos chipsets Snapdragon Wear, da Qualcomm, incentivou os fabricantes a melhorar as suas ofertas de bandas wearables», observa.

O analista da Canalys Jason Low indica que a Apple deverá tentar capturar o mercado de smartwatches celulares usando o seu forte relacionamento com operadores, que se tornarão pontos de venda cruciais para smartwatches celulares e serviços relacionados.

Observa que a Apple é líder da indústria em permitir aos consumidores experimentar os diferentes estilos e funcionalidades dos dispositivos e considera que é crucial que as lojas Apple e os parceiros de retalho da marca se adaptem rapidamente para efectivamente mostrar os produtos preparados para redes móveis logo que estejam disponíveis.

Jason Low defende que a Fitbit está sob grande pressão com o próximo lançamento de um smartwatch apelativo.

Ainda sem comentários