Receitas e lucros da NOS cresceram no primeiro trimestre

Publicado em 28/04/2017 00:18 em Operadores / Serviços

O operador de telecomunicações NOS anunciou hoje que as suas receitas de exploração cresceram 2,9% no primeiro trimestre do ano em curso e atingiram 381,0 milhões de euros.

Em comunicado de resultados hoje divulgado, a NOS indica que as receitas de telecomunicações cresceram também 2,9%, para 362,9 milhões de euros.

Os operador assinala que os seus lucros aumentaram 28,7% e atingiram os 31,4 milhões de euros.

As despesas de capital baixaram 8,4%, para 87,1 milhões de euros, acrescenta.

O CEO da companhia, Miguel Almeida, citado no comunicado, afirma que os resultados da NOS reflectem uma execução estratégica consistente no ambiente de um mercado maduro.

Salienta que o operador continuou a investir no desenvolvimento e na inovação da sua rede e serviços para manter a capacidade competitiva e de geração de valor, e concentrou-se em projectos de transformação que impulsionaram a eficiência operacional da empresa.

Miguel Almeida destaca a sofisticação do mercado português e o forte investimento dos operadores, que dita a necessidade de melhorar e inovar continuamente nos produtos e capacidade de rede.

A NOS adianta que a base de clientes de televisão por subscrição continuou a crescer no primeiro trimestre, para 1,608 milhões de clientes daquela área, um aumento líquido de 7,9 mil.

Acrescenta que os clientes de serviços de Internet de banda larga cresceram 9,1% e os de voz fixa subiram 5,5%.

O número de clientes dos serviços móveis aumentou 7,5%, para mais de 4,48 milhões, adianta a empresa.

Na área da exibição cinematográfica, o número de bilhetes vendidos recuou 4,3% homólogos (face ao mesmo período do ano passado), a receita média por espectador manteve-se em 4,8 euros e as receitas brutas de bilheteira reduziram-se 3,3%.

A NOS destaca que a descida do número de bilhetes vendidos tem características sazonais, por em 2016 a Páscoa ter sido no primeiro trimestre, ao contrário do que aconteceu em 2017.

Ainda sem comentários