Receitas da tecnológica bi4all cresceram 52% em 2016

Publicado em 20/04/2017 01:13 em Empresas

O volume de negócios da tecnológica portuguesa bi4all, especializada em Business Intelligence (BI), cresceram 52% no ano passado, para 7,076 milhões de euros, revelou hoje o presidente executivo (CEO) da empresa, José Oliveira.

Em encontro com a imprensa, José Oliveira indicou que o volume de negócios no mercado nacional cresceu 36%, para 4,414 milhões de euros, mas no mercado internacional subiu 90%, para 2,662 milhões de euros.

José Oliveira adiantou que o mercado internacional, que em 2015 representava 30% da facturação total, atingiu no ano passado 38% do volume de negócios.

Para 2017, a empresa espera facturar cerca de 10 milhões de euros e duplicar em dois anos a facturação do ano passado

Os lucros da bi4all quase triplicaram no ano passado, crescendo 198%, para 703 051 euros e o número de trabalhadores cresceu 30% face a 2015, para 127 empregados, precisou.

José Oliveira destacou que a empresa conta actualmente com 150 trabalhadores, excedendo as previsões de contratação de duas dezenas de empregados em 2017, e observou que o número final de trabalhadores em 2017 dependerá muito dos projectos conquistados, nomeadamente a nível internacional, sendo o objectivo actual de 160 empregados.

Observou que este ano a bi4all vai continuar a crescer claramente em clientes, em projectos e em equipa.

O CEO da empresa indicou que o Centro «nearshore», hoje oficialmente inaugurado em Lisboa e vocacionado para responder a clientes internacionais, conta já com 50 pessoas e garantiu que as instalações de 450 metros quadrados têm capacidade para duplicar esse número.

José Oliveira indicou que a estratégia é servir os clientes estrangeiros através do Centro, com apoio de parceiros locais, e garante que se a empresa abrir escritórios internacionais será em países com clientes fixos e volume de facturação significativa.

Adiantou que a empresa conseguiu no ano passado o seu primeiro contrato de «global services», com prestação de serviços a nível mundial.

José Oliveira sublinhou que a companhia tem uma presença muito forte na área da Big Data mas destacou que havia um hiato muito forte entre o valor que potencialmente o Big Data criava e a utilização que as empresas faziam dele, verificando se que hoje os clientes sabem mais o querem do Big Data e o que conseguem tirar daquela tecnologia.

José Oliveira revelou que as empresas clientes querem baixos custos e nem avaliam o potencial de geração de valor que os fornecedores de tecnologias da informação geram, não há consciência do valor das pessoas e dos serviços de consultoria que prestam.

O CEO afirmou que os preços da área de BI desceram em Portugal e estabilizaram num nível baixo e sublinhou que os preços pagos por clientes internacionais são bastante mais altos, o que justifica a estratégia de aposta nos mercados externos.

Observou que a bi4all não pode continuar a financiar as empresas clientes que querem reduzir custos.

Destacou que a empresa duplicou nos últimos quatro anos os salários que paga, que tem remunerações acima da média do sector em Portugal e salientou que todos os trabalhadores têm certificações em diversas tecnologias, em particular em bases de dados, o que é um factor diferenciador no mercado.

José Oliveira revelou que os sectores mais importantes para a bi4all são o farmacêutico, as telecomunicações, a banca e seguros e os transportes.

Ainda sem comentários