Dois terços das crianças europeias receiam utilizar a Internet

Publicado em 10/02/2017 00:23 em Segurança Informática

A empresa de segurança informática Kaspersky indica que dois terços (67%) das crianças europeias entre os 10 e os 15 anos têm medo ou preocupação relativamente à utilização da Internet.

A Kaspersky indica que as conclusões são um inquérito a 5 mil crianças entre os 10 e os 15 anos, realizado na Alemanha, França, Espanha, Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo, desenvolvido pela Opinion Matters para a Kaspersky.

O crescente número de ameaças na Internet que as crianças enfrentam, desde brinquedos que podem ser objecto de pirataria informática até assédios em plataformas de jogos como o Minecraft, está a ter efeitos negativos na confiança das crianças quando navegam na Internet.

O estudo revela que 29% das crianças inquiridas têm medo de que um desconhecido as possa intimidar, 23% receiam que um desconhecido lhes peça na Internet para fazerem algo com que não se sentem confortáveis, 22% temem que um desconhecido lhes peça para fazerem algo ilegal e 21% têm medo de que outras pessoas possas aceder a informações que colocaram online, mesmo depois de as terem apagado.

Mais de duas em cada cinco crianças (41%) admitem arrependimento em relação a publicações que fizeram na Internet e que podem ter afectado amigos ou outras pessoas, revelando a consciência de que as suas próprias actividades online podem ter causado problemas a outros, nomeadamente colegas.

Para garantir a segurança das crianças na Internet, a Kaspersky aconselha os pais a falarem com elas sobre os possíveis riscos, recordando que alguns desses perigos se aplicam ao mundo real, encorajar as crianças a contar experiências na Internet que as tenham feito sentir-se ameaçadas ou incomodadas e definir, explicando a sua razão, regras claras e adaptadas à idade e experiência online, sobre o que as crianças podem fazer na Internet e o que devem evitar.

A companhia aconselha também os pais a utilizar software de controlo parental [disponível na generalidade dos produtos de segurança informática], que permite bloquear conteúdos inapropriados e determinadas actividades, nomeadamente o acesso a alguns sítios internet, chats ou fóruns.

Devem, ainda, configurar os telemóveis para que não possam fazer compras em jogos, através de opções do equipamento ou dos operadores que fornecem o serviço.

A Kaspersky recorda que os smartphones e tablets são dispositivos sofisticados e que os cuidados com os conteúdos online nos PC se aplicam a esses equipamentos, que vêm muitas vezes com opções de controlo parental, que também estão disponíveis em softwares de segurança para sistemas operativos móveis.

Ainda sem comentários