Volume negócios Nokia cresceu 89%, com integração ALU

Publicado em 03/02/2017 00:46 em Indústria

O volume de negócios da Nokia cresceu 89% no ano passado, para 23 614 milhões de euros, devido à aquisição e integração da Alcatel-Lucent (ALU) a partir do início de 2016, revelou a multinacional finlandesa.

Em comunicado de resultados, a Nokia, que produz soluções e equipamentos de telecomunicações, indica que se a comparação for feita com a soma das receitas das duas companhias em 2015, verificou-se redução homóloga de 10% no ano passado em valores não IFRS.

A companhia adianta que teve em 2016 prejuízos operacionais de 1100 milhões de euros, que compara com resultados operacionais positivos da Nokia (sem ALU) de 1697 milhões de euros em 2015, e registou prejuízos de 912 milhões de euros, após um lucro de 1194 milhões de euros no ano precedente.

A Nokia Networks, que produz soluções de redes de telecomunicações, facturou 21 799 milhões de euros (mais 90%), a Nokia Technologies, que detém a carteira de patentes do grupo, teve receitas de 1053 milhões de euros (mais 3%), e o «Group Common» facturou 1145 milhões de euros, sem termo de comparação com o ano anterior à fusão.

Rajeev Suri, presidente e CEO da Nokia, citado no comunicado, sublinha que 2016 foi um ano de transição para a Nokia.

Acrescenta que no início de 2016 a Nokia estava focada nas redes móveis e concluiu o ano como uma companhia com uma carteira completa de soluções de redes fixas e móveis, routing, óptica e stand-alone software.

Observa que o ano terminou com uma integração com êxito da Alcatel-Lucent, mais rápida do que o previsto, permitindo mudar o foco para as poupanças de custos, programas de melhoria contínua e execução da estratégia da multinacional.

A Nokia revela que no ano passado a Nokia investiu 4904 milhões de euros em investigação e desenvolvimento (I&D), mais do dobro do registado no ano anterior, antes da integração da ALU.

A multinacional finlandesa facturou no ano passado 6393 milhões de euros na Europa (mais 68%), 7031 milhões de euros na América do Norte (quase quatro vezes e meia mais do que em 2015), na Ásia/Pacífico (excepto China) 4206 milhões de euros (mais 30%), na China 2656 milhões de euros (mais 55%), no Médio Oriente e África 1871 milhões de euros (mais 59%) e na América Latina 1457 milhões de euros (mais 50%).

No final de 2016 a Nokia empregava 100 875 trabalhadores, mais 81% do que no fim de 2015 (sem ALU), sendo 37616 (mais 70%) na Europa, 22 217 (mais 33%) na Ásia/Pacífico, 18 092 (mais 113%) na China, 15 133 (quatro vezes mais) na América do Norte, 3890 (mais 71%) no Médio Oriente e África e e 3927 (mais 60%) na América Latina.

Ainda sem comentários