Sensores impressões digitais atingirão quase mil milhões 2017

Sensores impressões digitais atingirão quase mil milhões 2017Publicado em 01/02/2017 00:41 em Outras Tecnologias

A produção de sensores de impressões digitais, que atravessa uma fase de crescimento explosivo, deverá aproximar-se dos mil milhões em 2017, estima a consultora e analista de mercados IHS Markit.

Jamie Fox, analista principal da IHS Markit, prevê que os sensores de impressões digitais passem a ser de 2017 em diante uma funcionalidade standard dos smartphones de gama alta e média.

Observa, contudo, que o crescimento dos sensores de impressões digitais de 2018 em diante estará ligado à adopção daquela tecnologia também em smartphones de gama baixa.

O analista da IHS Markit destaca que os anos de 2015 e 2016 foram os de maior crescimento na produção de sensores de impressões digitais, com aumentos de mais de 60% em ambos os anos, mas o crescimento anual entre 2016 e 2020 deverá basear-se em dispositivos de gama mais baixa e situar-se entre 10 e 25%.

A IHS Markit estima que no ano passado foram produzidos 797 milhões daqueles sensores, para smartphones, tablets e portáteis, com os smartphones a representarem 89% do total.

Prevê que em 2017 sejam fabricados no mundo 990 milhões de sensores de impressões digitais.

A consultora destaca que outras soluções biométricas como o reconhecimento da íris têm uma expressão muito mais pequena e em muitos casos surgiram no mercado para complementar, mais do que para substituir, a identificação por impressões digitais.

A IHS Markit indica que 29% dos sensores para smartphones foram em 2016 produzidos para iPhones e 21% para smartphones Samsung, o que significa que Apple e Samsung representaram metade deste mercado. A maioria dos restantes sensores foi produzida para fabricantes chineses, como a Huawei, Oppo e Xiaomi.

Jamie Fox acrescenta que uma tendência de mercado é a instalação dos sensores debaixo dos ecrãs, o que fornece uma oportunidade para o aparecimento de sensores ópticos e ultra sónicos no mercado.

Ainda sem comentários