Sage aponta grandes tendências tecnologia empresas em 2017

Publicado em 17/01/2017 15:54 em Geral

A Sage, fabricante de software especializado em aplicações de gestão para empresas, prevê que os assistentes virtuais, a inteligência artificial e o «Blockchain» estão entre as tendências tecnológicas que mudarão a gestão dos negócios em 2017.

Em comunicado, a Sage aponta também a revolução dos sistemas de pagamentos, as infra-estruturas informáticas baseadas em plataformas e a Internet das Coisas, segundo a análise de Klaus-Michael Vogelberg, Chief Technology Officer (CTO, executivo responsável pela área tecnológica) da companhia.

Vogelberg antecipa que os assistentes virtuais vão tornar-se cada vez mais comuns em diferentes dispositivos e nas interfaces de utilizador que os empresários utilizam para gerir e controlar as suas empresas e que vão alterar a forma como os humanos trabalham e interagem com as máquinas.

Acrescenta que, gradualmente, a interacção com os computadores e outros dispositivos informáticos passará a ser feita oralmente ou através de controlo gestual com as mãos, cabeça ou olhos, observando ainda que os sistemas terão capacidade de auto-aprendizagem.

Outra tendência indicada pelo CTO da Sage é a adopção de inteligência artificial mesmo pelas pequenas e médias empresas (PME).

Adianta que, com a expansão de dados gerados por todo o tipo de sensores e dispositivos e com o software de análise de dados e os agentes inteligentes cada vez mais poderosos e acessíveis, as empresas precisam de extrair conhecimento dos grandes volumes de dados disponíveis.

Vogelberg assinala que «se as PME unirem sinergias e – considerando as suas políticas corporativas, de protecção de dados e segurança – partilharem o potencial das suas equipas e informação com outras empresas de uma forma estruturada e sistemática, podem beneficiar dessa colaboração ao receberem uma base de dados mais ampla e completa e melhor ‘data intelligence’».

Quanto ao «blockchain», o CTO da Sage defende que todos os sectores que trabalham como intermediários entre duas partes, como advogados, notários, contabilistas, imobiliárias ou intermediários financeiros, terão no «blockchain» uma tecnologia capaz de eliminar uma grande parte da carga de trabalho, incluindo o controlo e agendamento de transacções, transferência de dinheiro ou pagamento de facturas.

O CTO da Sage defende que em 2017 haverá mais soluções de pagamentos e mais recentes que irão permitir às empresas estabelecer uma cadeia de pagamentos mais integrada e automatizada com os seus fornecedores e clientes, permitindo realizar pagamentos a qualquer hora e em todo o lado, incluindo através de dispositivos móveis, de forma imediata e em vários canais, que estarão completamente integrados com os sistemas contabilísticos e financeiros das empresas.

Vogelberg prevê que no ano em curso muitas empresas vão substituir os seus actuais sistemas de software interno por soluções integradas de software na nuvem, que permitirão oferecer serviços e soluções inovadoras de software empresarial a pequenas empresas.

Aquele responsável da Sage admite também que a Internet das Coisas (IoT, na sigla inglesa) dará novas oportunidades que as empresas devem procurar no quotidiano, aproveitando os múltiplos fluxos de dados oriundos da multiplicidade de sensores incorporados em máquinas, automóveis, bens móveis e imóveis ou roupas, que irão resultar num verdadeiro tesouro de informação e permitirão criar uma grande diversidade de novos serviços.

Sustenta que as PME deverão pensar como usar esses fluxos de informação para fazer crescer o seu negócio em diversas áreas, desde a gestão das frotas de viaturas pelas empresas de logística, beneficiando de sistemas de informação de trânsito, até aos serviços de segurança usando tecnologias de casas inteligentes, ou aos serviços de cuidados médicos móveis.

Klaus-Michael Vogelberg destaca que «em 2017 todas as empresas devem começar a pensar em si próprias como empresas tecnológicas».

«Para se manterem competitivas, as empresas devem agarrar as oportunidades que estes desenvolvimentos trazem e alterar cada aspecto das actuais formas tradicionais de trabalhar. A boa notícia é que estas tecnologias significam que acreditamos que, muito em breve, a gestão de um negócio pode tornar-se completamente invisível, tão fácil como enviar uma mensagem a um amigo ou tornar-se mesmo completamente automatizado», observa Vogelberg.

«Isto vai ajudar os empresários a focarem-se no crescimento dos seus negócios, impulsionando o crescimento da economia e contribuindo para as suas comunidades», conclui o CTO da Sage.

Ainda sem comentários