FBI deteve contratado da NSA por suspeita roubo segredos

Publicado em 06/10/2016 23:43 em Destaques

O jornal New York Times anunciou que o FBI deteve em segredo em Agosto um contratado da NSA – National Security Agency, dos Estados Unidos, por suspeita de desvio e entrega de códigos de computador, desenvolvidos pela agência e altamente secretos, destinados a piratear redes informáticas de governos estrangeiros.

A detenção surge três anos depois de Edward Snowden, contratado através da consultora Booz Allen Hamilton, ter divulgado informação altamente danosa para a imagem dos Estados Unidos e da NSA, que revelava que as agências governamentais estavam a espiar governos e interceptar mensagens, incluindo de chefes de governo e ministros e redes informáticas oficiais de países estrangeiros, incluindo aliados dos Estados Unidos, como a Alemanha.

Snowden divulgou, nomeadamente através de jornais de diversos países, abundante documentação que comprovava espionagem informática a países estrangeiros e intercepção de mensagens electrónicas, sem qualquer mandado judicial, de cidadãos dos Estados Unidos que não eram suspeitos de qualquer crime.

O especialista detido em Agosto, segundo uma queixa criminal divulgada no New York Times, é Harold Martin, que tinha trabalhado na NSA e estava na altura no departamento de Defesa.

Segundo o artigo dos jornalistas Jo Becker, Adam Goldman, Michael Schmidt e Matt Apuzzooct, Martin foi acusado de roubo de propriedade do governo e desvio e retenção não autorizada de documentos classificados.

Um vizinho do detido, Murray Bannett, testemunhou ao jornal que duas dúzias de agentes do FBI envergando uniformes de tipo militar e fortemente armados invadiram a casa de Harold Martin e levaram-no sob detenção.

Segundo documentos judiciais, citados pelo New York Times, o FBI descobriu centenas de páginas de documentos classificados e dezenas de computadores e outros dispositivos digitais na casa e no automóvel do suspeito, com vários terabytes (Tb) de informação.

Mas ao fim de mais de um mês de detenção, as autoridades ainda são incapazes de dizer com segurança se Harold Martin forneceu a informação a alguém ou se simplesmente fez download dela.

As informações do jornal indicam que os dados recolhidos por Martin são de natureza diferentes dos de Snowden e incluem códigos maliciosas para comprometer sistemas informáticos de países como a Rússia, Irão, China ou Coreia do Norte e fontes oficiais afirmaram que a investigação admite que não aparenta tratar-se de um caso de espionagem ou politicamente motivado.

Harold Martin, um veterano da Marinha, tem formação superior em economia e sistemas de informação e trabalhou durante uma década em investigação em ciências computacionais.

O FBI admite a possibilidade de Martin, tal como tantos outros antes dele, ter levado para casa informação confidencial mas sem intenção de a entregar a alguém ou a divulgar.

Não se sabe se o detido tem ligações à fuga de código classificado da NSA em Agosto e atribuída a um grupo que se autodenomina como Shadow Brokers, ou se teve alguma ligação a uma série de fugas interceptadas pela NSA envolvendo o Japão, a Alemanha e outros países e que o WikiLeaks divulgou desde o ano passado.

Ainda sem comentários