Muitos teenagers dos EUA sofreram bulling online

Publicado em 04/10/2016 00:36 em Internet

Uma percentagem significativa dos teenagers dos Estados Unidos reportou que no último ano foi alvo de comentários ofensivos ou cruéis no mundo digital, segundo um estudo da multinacional de software Microsoft.

Mais de metade (52%) dos adolescentes indicaram que os comentários negativos que receberam quando estavam online ou através dos telemóveis tiveram frequentemente origem em algo que disseram ou fizeram.

Quase metade (45%) indicou que a sua aparência foi objecto de referências «rudes», 27% receberam mensagens sobre a sua orientação sexual, um quarto sobre o seu género e 24% sobre a sua raça ou etnia.

O estudo, patrocinado pela Microsoft e realizado pela National Cyber Security Alliance, questionou 804 jovens entre os 13 e os 17 anos e 810 pais de adolescentes na mesma faixa etária.

Quase dois terços (65%) dos pais consideraram que era muito provável que as crianças partilhassem problemas deste tipo com eles, mas só um quinto dos adolescentes disse partilhar frequentemente os problemas com os pais. Em contrapartida, 28% disseram que nunca partilharam os problemas com os pais.

Muitos dos adolescentes relacionaram as preocupações de segurança na Internet com a privacidade e segurança da informação pessoal, porque poderia afectar a sua reputação, quer online, quer offline, 47% estavam muito preocupados com a possibilidade de alguém poder aceder às suas contas sem autorização, 43% receavam que alguém acedesse online a informação sobre si que gostariam de manter privada e 38% temiam a eventualidade de alguém colocar na Net as suas fotos ou vídeos privados.

Três em cada cinco adolescentes dizem que criaram contas na Internet, incluindo nas redes sociais, que os seus pais desconhecem totalmente e apenas 13% dizem que os pais estão completamente a par do que fazem na Internet.

Ainda sem comentários