Apple arrisca com iPhone 7 e Apple Watch 2 para voltar ao crescimento, IHS

Apple arrisca com iPhone 7 e Apple Watch 2 para voltar ao crescimento, IHSPublicado em 10/09/2016 00:33 em Equipamentos

Ian Fogg, analista chefe da IHS Technology, considera que a Apple assumiu riscos com os novos iPhone 7 e com os Apple Watch series 2 para tentar regressar ao crescimento, após uma primeira metade de 2016 com as vendas a cair.

Numa análise aos lançamentos de quarta-feira efectuados pela Apple, aquele analista chefe da IHS salienta que a Apple necessita que o iPhone 7 tenha grande êxito porque é o eixo do crescimento da marca da maçã, e representou no segundo trimestre 57% das receitas totais da companhia.

Sublinha, contudo, que a importância do iPhone vai muito para além do peso das suas vendas nas receitas da Apple, porque conduz todo o ecossistema da companhia e suporta as vendas do Apple Watch, dos iPads e dos computadores Mac, assim como dos acessórios da marca.

A IHS antecipa vendas de 209 milhões de iPhones no ano em curso.

Fogg defende que a câmara é a funcionalidade mais significativa dos novos iPhone, observando que tanto o 7 como o 7 Plus (7+) têm estabilização óptica de imagem, lentes f1.8 com maior abertura e flash LED quadruplo e que o 7+ oferece módulos duplos de câmara com lentes de 26 milímetros (mm) e 56 mm.

O analista assinala que a Apple se focou correctamente na câmara, que é a funcionalidade definidora dos smartphones estrela, e prevê que a nova câmara do iPhone 7 convença muitos proprietários de modelos mais antigos a fazerem a actualização para o 7.

«Num mercado de smartphones maduro, uma nova câmara ajuda a convencer os consumidores de que o seu smartphone actual não é suficientemente bom», sublinha Ian Fogg, que manifesta a convicção de que a câmara dos iPhone 7 possa ser um factor diferenciador.

As câmaras são das poucas funcionalidades dos smartphones com vasta margem para melhorias, observa, sublinhando que esta é uma área em que a Apple tem sido capaz de inovar a nível de hardware e software.

Além disso, o iPhone 7 traz o primeiro processador quad core de um iPhone, tem um ecrã com 25% mais brilho, tem colunas estéreo e são resistentes à água e à poeira.

No caso do Apple Watch series 2, destaca o processador dual core, o ser resistente à agua até uma profundidade de 50 metros, o GPS integrado que permite a utilização sem iPhone e o preço desde 269 dólares, ao mesmo nível dos precedentes.

Ian Fogg salienta que a Apple assumiu «riscos corajosos com o iPhone 7 e 7+, mas salienta a limitação da câmara dual ao modelo iPhone 7 Plus, quando o 6S Plus representou apenas pouco mais de um quinto das vendas totais dos 6S no segundo trimestre.

Recorda que a rival Samsung oferece uma câmara dual na versão compacta do P9, com um ecrã de dimensões semelhantes ao do iPhone 6.

Fogg destaca as reacções adversas à decisão da Apple de suprimir o «jack» de auscultadores, o que ameaça abafar a comunicação das melhorias do iPhone. A Apple terá de convencer que as muitas melhorias compensam o inconveniente da falta do «jack» para auscultadores, ou os consumidores poderão adiar o «upgrade» para iPhone 7, acrescenta.

Os iPhone 7 mantêm o design exterior do 6 e do 6S, o que constitui uma estratégia de risco porque normalmente a mudança de design exterior conduz a maiores aumentos de vendas, enquanto as mudanças incrementais dos modelos intermédios S conduzem a crescimentos de vendas mais moderados.

A IHS sustenta que a inovação no áudio seria possível sem terminar com o «socket» para auscultadores, mas recorda que modelos como o Moto Z e alguns modelos do fabricante chinês LeEco seguiram o mesmo caminho em 2016.

Quanto ao Apple Watch series 2, Ian Fogg considera que as maiores capacidades no fitness e a parceria com a Nike vão manter o negócio em movimento.

Ainda sem comentários