Siemens Portugal inaugura Centro Competência em Cibersegurança

Publicado em 14/07/2016 00:40 em Geral

A Siemens inaugurou hoje um Centro de Competência em Cibersegurança industrial, que se junta a idênticos centros já existentes em Munique (Alemanha) e no Ohio (Estados Unidos), indicou a hoje Siemens Portugal.

O Centro Operacional de Cibersegurança Industrial em Portugal vai, em conjunto com os da Alemanha e Estados Unidos, monitorizar instalações industriais em todo o mundo, alertar as empresas para potenciais incidentes de segurança informática e coordenar contramedidas proactivas, segundo a Siemens.

Carlos Melo Ribeiro, administrador-delegado e CEO da Siemens Portugal, disse ao Falar de Economia e Tecnologia não estar autorizado a divulgar números sobre quantas pessoas trabalham no Centro Operacional de Cibersegurança em Portugal, mas sublinhou que o número actual irá duplicar nos próximos meses.

Indicou que nos três centros de competências ligados à área de tecnologias da informação existentes na Siemens Portugal, que inclui o de cibersegurança industrial, irão trabalhar até ao fim do ano cerca de 300 profissionais altamente qualificados, com a abertura de 40 vagas.

Segundo o gabinete de informação da Siemens Portugal, nos três centros de competências em cibersegurança industrial trabalham cerca de uma centena de profissionais.

Nos últimos 10 anos, a companhia captou para Portugal 23 Centros de Competência da multinacional mãe, em áreas tão diversas como a Energia, as Infra estruturas, os Serviços Partilhados e as Tecnologias de Informação, que – segundo a empresa - contam com cerca de 1.000 trabalhadores, já geraram um volume de negócios acumulado de €510 Milhões, e exportam brainware e serviços de alto valor acrescentado para os 200 Países onde a Siemens está presente.

Na inauguração, os responsáveis da Siemens abordaram também o tema da digitalização da indústria e do software PLM da Siemens, apresentando um Maserati Ghibli desenvolvido com o PLM, o que permitiu à Fiat/Chrysler poupar custos e reduzir em cerca de 30% o tempo de chegada ao mercado.

António Mira, director da Siemens Portugal para a área da indústria, assinalou que a «indústria 4.0», uma designação para a transformação digital das empresas, permite personalizar os produtos fabricados e diminuir em até 50% o tempo de chegada ao mercado.

Exemplificou com a possibilidade de, com a transformação digital, personalizar os tacos de golfe ou pranchas de surf para as empresas que as vão usar ou de uma fabricante de produtos para o cabelo configurar facilmente as características de um champô para satisfazer uma encomenda.

No discurso escrito distribuído (que não coincide com o que foi feito), Melo Ribeiro afirma que o Centro Operacional de Cibersegurança da Siemens vem responder a uma das principais necessidades da Indústria 4.0.

Adianta que, quando no início do ano a Siemens fez um inquérito sobre digitalização a 70 dos seus principais clientes, verificou que cerca de 80% acredita que uma maior segurança da informação é um factor fundamental para impulsionar ainda mais a implementação desta importante área dentro das suas organizações.

Carlos Melo Ribeiro citou o estudo “The Digital Enterprise: Europe and Portugal”, feito pela Deloitte a pedido da companhia, que aferiu a maturidade digital das empresas portuguesas em comparação com as de 29 países europeus e em que Portugal ficou a meio da tabela, em 15º lugar, na chamada fase de transição.

Ou seja, há um longo caminho a percorrer nesta área, com oportunidades de relevo, observa.

O administrador delegado da Siemens Portugal indicou que os especialistas em segurança industrial da Siemens, instalados em Lisboa, monitorizam instalações industriais de todo o mundo com o objectivo de detectar ciberameaças, avisar as empresas na eventualidade de ocorrer um incidente e coordenar a tomada proactiva de medidas defensivas.

Acrescentou que o Industrial Cyber Security Operation Center (CSOC) de Lisboa analisa cerca de três milhões de ocorrências por dia, o que já permitiu identificar ameaças que levaram a melhorias nas instalações industriais sob vigilância.

Ainda sem comentários