CGI, multinacional em que Portugal pesa mais que Espanha

Publicado em 29/06/2016 18:33 em Empresas

O negócio da CGI em Portugal, ao contrário do que acontece com outras empresas, é o mais importante da península e a multinacional tem cinco escritórios em Portugal e dois em Espanha, revelou hoje José Carlos Gonçalves, vice-presidente sénior da companhia para a Europa do Sul e América Latina.

Em encontro com a imprensa para assinalar os 40 anos da CGI, completados no mês em curso, José Gonçalves indicou que a companhia emprega cerca de 2 mil pessoas na Península Ibérica e tem receitas anuais de 138 milhões de euros, cerca de 60% das quais em Portugal.

A empresa, fundada em 1976 por Serge Godin e André Imbeau, tem hoje 65 mil trabalhadores, um volume de negócios de 10,3 mil milhões de dólares (9,3 mil milhões de euros), está presente em 40 países e fornece serviços de consultoria, integração de sistemas, tecnologias de informação e Business Process Outsourcing (BPO), com soluções de software próprias, revelou José Gonçalves.

A tecnológica tem mais de 5 500 clientes e está presente nas áreas dos serviços financeiros, administração pública, utilities, gás e petróleo, indústrias transformadoras, saúde, comunicações. Retalho, transportes e logística, indicou.

O vice-presidente sénior da CGI explicou que os trabalhadores da companhia são tratados internamente por membros e que três quartos deles são accionistas, o que aumenta o seu envolvimento na actividade do grupo.

A CGI adquiriu em 2012 a Logica CMG, a sua maior aquisição de sempre, mais do que duplicando a sua força de trabalho. A Logica CMG adquiriu à EDP a tecnológica Case Edinfor, o que poderá ajudar a explicar o peso que actualmente tem a actividade da CGI em Portugal.

José Carlos Gonçalves indicou que a companhia tem mais de 30 «delivery centres» (modelo que executa projectos tecnológicos com equipas distribuídas globalmente), com 18 200 profissionais. Na Península Ibérica há quatro centros, em Lisboa, Porto, Madrid e Málaga, que trabalham para meia centena de clientes.

Adiantou que em Portugal foram desenvolvidas cinco soluções de software, entre as quais o RMS (sistemas de gestão de energias renováveis), que permite controlar as centrais de energias renováveis remotamente, sem pessoal nos locais, asm@rtering, uma solução para a gestão das redes de energia ou água das utilities, e o Interactive Electronic Document, que permite às empresas emitir facturas electrónicas inteligentes e interactivas.

Aquele vice-presidente do grupo destacou que a CGI em Portugal tem pessoas com grande «know how» na área das energias renováveis e na área da mobilidade eléctrica, para a qual a empresa também dispõe de soluções.

Acrescentou que a CGI tem em Portugal pessoas especializadas em consultoria de muito alto nível que garantem ao cliente a migração de plataformas sem alterar as aplicações e a forma de desenvolvimento, com ferramentas desenvolvidas em Portugal para a modernização das tecnologias da informação e agilização da actividade.

Apontou os casos da EDP, do Ministério da Justiça português e da segurança social holandesa, feitos por equipas portuguesas.

Observou que mais de 20% das receitas ibéricas vêm da exportação de produtos e serviços, muitos como Software as a Service (SaaS) e revelou que o investimento em projectos de desenvolvimento é feito pelas unidades de negócio locais, depois de autorização do Comité de Investimento.

José Gonçalves disse que a CGI retirou recentemente as operações de vários países da América Latina, como Venezuela, Colômbia, Peru e Chile, e antes Argentina, por terem dimensões de negócio muito pequenas, e a aposta estratégica é no Brasil, onde tem 600 trabalhadores e escritório em São Paulo.

Admitiu que o Brasil é um mercado muito complicado, em recessão económica e com problemas políticos, mas tem um enorme potencial, sublinhando de quatro dos cinco maiores bancos brasileiros têm soluções de cobrança da CGI. O foco no Brasil, além do sector financeiro, é nas utilities de energia e água e no suporte local a empresas clientes com negócios no Brasil.

Ainda sem comentários