Vendas tablets caíram 14,7% no primeiro trimestre

Vendas tablets caíram 14,7% no primeiro trimestrePublicado em 01/05/2016 01:02 em Equipamentos

A consultora e analista de mercados IDC estima que as vendas mundiais de tablets, incluindo dispositivos com tablets destacáveis do teclado, baixaram 14,7%, para 39,6 milhões de unidades, no primeiro trimestre de 2016.

Os tablets tradicionais, embora ainda representem 87,6% das vendas totais, estão em declínio, enquanto as vendas de tablets destacáveis do teclado cresceram a três dígitos entre os primeiros trimestres de 2015 e 2016 e já venderam um recorde de 4,9 milhões de unidades.

Jitesh Ubrani, analista sénior da IDC, sublinha que, com a indústria de computadores pessoais em declínio, os tablets destacáveis constituem uma alternativa para consumidores e empresas substituírem computadores já antigos.

Ubrani sublinha que a entrada da Apple num segmento de destacáveis em que a Microsoft foi pioneira deu à marca da maçã uma impressionante liderança, pelo menos no curto prazo, porque o êxito a longo prazo da Apple naquele segmento com um preço de entrada alto, que afasta os consumidores, depende de o iOS provar o interesse para as empresas, o que dá muita margem para a Microsoft e os seus parceiros fornecedores de hardware se refazerem.

A IDC sublinha que os primeiros três meses do ano foram também marcados pela entrada no segmento dos destacáveis de fabricantes de smartphones como a Samsung e a Huawei.

Philippe Bouchard, director da IDC, prevê que a compreensão do ecossistema móvel por parte desses fabricantes e o volume atingido nas vendas de smartphones deverão permitir-lhes oferecer novas capacidades de computação móvel usando os destacáveis em articulação com os smartphones.

No primeiro trimestre de 2016, a Apple vendeu 10,3 milhões de tablets e teve uma quota de 25,9% do mercado mundial, seguida da Samsung, com 6,0 milhões de dispositivos vendidos e uma quota de 15,2%, segundo a estimativa da IDC.

A Amazon, que no primeiro trimestre do ano passado estava quase ausente do mercado de tablets, com uma insignificante quota de 0,1%, cresceu a quatro dígitos (aumento de 5.421,7%) e atingiu um surpreendente terceiro lugar, com 2,2 milhões de tablets vendidos e uma quota de 5,7%, que lhe permitiu ultrapassar a Lenovo (quota de 5,5%) e a Huawei (5,2%), indica a IDC.

A consultora afirma que a Huawei conseguiu crescer 82,2% num mercado de tablets em declínio.

A Strategy Analytics estima, por seu turno, que o mercado mundial de tablets, incluindo destacáveis, registou no primeiro trimestre uma queda de 10% nas vendas, para 46,4 milhões de unidades, um número bastante superior ao avançado pela IDC.

Indica que as vendas da Apple atingiram os 10,3 milhões de iPads, correspondentes a uma quota de 22%, que os tablets com sistema operativo Android recuaram para 30 milhões de unidades e uma quota de 65%, enquanto os tablets Windows cresceram 82%, para 6,2 milhões de unidades, conquistando 13% do mercado.

Ainda sem comentários