Negócios e lucros da Apple caíram no segundo trimestre fiscal

Publicado em 27/04/2016 19:38 em Equipamentos

A Apple anunciou que o seu volume de negócios caiu 12,8% homólogos no segundo trimestre do ano fiscal 2016, concluído a 26 de Março, para 50,6 mil milhões de dólares (44,7 mil milhões de euros).

Em comunicado de resultados divulgado quarta-feira à noite, a Apple revela que os seus lucros se reduziram 22,8%, para 10,5 mil milhões de dólares (9,27 mil milhões de euros) no período em análise.

Tim Cook, presidente executivo da Apple, citado no comunicado, considera que a equipa da marca maçã teve uma execução extremamente boa tendo em conta o ambiente macroeconómico muito adverso e destaca o crescimento continuado das receitas de serviços devido à força do ecossistema da Apple e à crescente base de mais de mil milhões de dispositivos activos.

As receitas de serviços cresceram 20%, para 5,99 mil milhões de dólares (5,29 mil milhões de euros).

O CEO sublinhou que no ano passado houve uma aceleração dos «upgrades» de iPhones, tornando a base de comparação para este ano dura para a companhia, mas sublinhou que o iPhone continua a atrair milhões de compradores de smartphones.

A companhia anunciou que a administração aumentou em 50 mil milhões de dólares o programa de devolução de capital aos accionistas, em que deverá gastar 250 mil milhões de dólares (mais de 220 mil milhões de euros) até Março de 2018.

No segundo trimestre fiscal, o número de iPhones vendidos caiu 16% homólogos, para 51,19 milhões, as vendas de iPads baixaram 19%, para 10,25 milhões e as de computadores recuaram 12%, para 4,03 milhões de unidades.

No mesmo período, as receitas de venda de iPhones baixaram 18%, para 32,86 mil milhões de dólares, as de iPad desceram 19%, para 4,41 mil milhões de dólares, e as de Mac baixaram 9%, para 5,11mil milhões de dólares (4,51 mil milhões de euros).

Por geografias, as receitas da Apple apenas cresceram (24%) no Japão, atingindo 4,28 mil milhões de dólares (3,78mil milhões de euros) no segundo trimestre fiscal.

As Américas, que incluem o mercado doméstico da Apple, os Estados Unidos, continuam a ser o mercado líder da marca da maçã, com negócios de praticamente 19,1 mil milhões de dólares (16,86 mil milhões de euros), em queda de 10%, enquanto a China é o segundo maior mercado, com receitas de 12,49 mil milhões de dólares (11,03 mil milhões de euros), uma quebra de 26%, acima da Europa, onde a companhia facturou 11,54 mil milhões de dólares (10,19 mil milhões de euros), uma redução de 5%.

Na Ásia/Pacífico, excluindo China e Japão, as receitas da Apple caíram 25%, para 3,16 mil milhões de dólares (2,79 mil milhões de euros).

Para o terceiro trimestre fiscal, em curso, a Apple espera receitas entre 41 mil milhões e 43 mil milhões de dólares.

Ainda sem comentários