Activos intangíveis cada vez mais importantes para empresas

Publicado em 05/04/2016 23:37 em Destaques

Os activos intangíveis têm vindo a tornar-se cada vez mais importantes para as empresas, revela um estudo encomendado pela multinacional Oracle a partir de um inquérito a 744 executivos de empresas (maioritariamente da área financeira). com facturação superior a 100 milhões de dólares, de 34 países do mundo.

O estudo foi hoje apresentado aos jornalistas pelo director-geral da Oracle Portugal, Hugo Abreu.

No caso da região EMEA – Europa, Médio Oriente e África, que representou cerca de metade das respostas se incluirmos o Reino Unido e 37% sem a Grã-Bretanha, os executivos apontaram como grandes impulsionadores do crescimento dos respectivos negócios o nível de satisfação dos clientes (citado por três quartos), a qualidade dos processos de negócio e o relacionamento com os clientes, em ambos os casos com 62% de respostas.

Apesar disso, o estudo revela que os responsáveis financeiros das empresas têm dificuldade em analisar os dados que dizem respeito aos activos intangíveis, com apenas 16% a afirmarem ser capazes de reunir e analisar dados sobre o nível de confiança dos seus clientes e igual percentagem a dizer ter dados que permitam aferir o impacto das marcas nos seus negócios.

Os que dizem ser capazes de aferir a qualidade dos seus processos de negócio são em número superior mas, ainda assim, não chegam a um terço, quedando-se nos 29%.

Apenas 10% dos inquiridos indicou que a área financeira das suas empresas foi completamente envolvida no fornecimento e avaliação dos dados não financeiros relativos à evolução do negócio, no âmbito das estratégias e objectivos traçados.

No questionário a nível mundial, os grandes factores impulsionadores do crescimento dos negócios são a satisfação dos clientes (76%), a qualidade dos processos de negócio (64%) e as relações com clientes (63%), os mesmos identificados na região EMEA e com percentagens muito próximas, seguindo-se a qualidade do capital humano da empresa (61%) e a reputação das marcas (58%).

O estudo procura também identificar os Indicadores Chave de Desempenho (KPI, na sigla inglesa).

Mais de dois terços (67%) das respostas apresentam a qualidade dos dados como o principal KPI, seguindo-se o retorno do capital investido (ROI), para 66%, a produtividade da mão-de-obra (65%), a motivação e retenção dos trabalhadores (65%) a experiência e satisfação dos clientes (60%), a actividade dos competidores (57%) a retenção de clientes (55%) e a captação de talentos (50%).

O estudo conclui que na economia digital os modelos de negócio têm de se adaptar ao ambiente competitivo, em que a qualidade das tomadas de decisão, especialmente no tocante à gestão dos activos intangíveis, será determinante para o êxito dos negócios.

Ainda sem comentários