Mais de metade dos portugueses vêem diariamente TV e vídeo «on demand»

Publicado em 05/11/2015 00:01 em Indústria

Mais de metade dos portugueses vêem diariamente televisão e/ou «vídeo on demand», o que coloca Portugal ao nível dos mercados mais avançados, garantiu Rodolfo Correia, responsável pela área televisão da Ericsson para a região mediterrânica, que inclui 25 países da Europa do Sul e Norte de África.

Os portugueses gastam já mais de quatro horas por semana em «streaming» de conteúdos de mais longa duração, sendo que as séries representam cerca de metade da visualização de televisão.

As conclusões constam do estudo da Ericsson TV e Media, realizado pela Ericsson ConsumerLab, em 20 países de todo o mundo, entre os quais Portugal, com 20 mil entrevistas online a pessoas entre os 16 e os 59 anos e 2500 entrevistas, também por Internet, na faixa etária dos 60 aos 69 anos.

Sendo entrevistas online, os entrevistados estão limitados a pessoas que utilizam Internet.

O estudo da Ericsson TV & Media revela que mais de 60 por cento dos adolescentes portugueses (61%) utilizam dispositivos móveis para aceder a conteúdos de televisão e «vídeo on demand».

Num encontro com a imprensa, Rodolfo Correia sublinhou que a televisão e media estão a sofrer uma «gigantesca transformação» com as tecnologias digitais e previu que em 2020 haverá 50 mil milhões de dispositivos ligados à Internet, 15 mil milhões dos quais com capacidades vídeo.

Rodolfo Correia destacou que a Ericsson acredita que vão entrar novos actores de mercado na cadeia de valor daquela área, como é já o caso da NetFlix, que trazem aumento do investimento.

Indicou que as receitas do mercado de conteúdos de televisão e vídeo vão passar de 520 mil milhões de euros actualmente para 750 mil milhões de euros em 2020.

Rodolfo Correia observou que os utilizadores querem uma evolução constante dos serviços de televisão e media, o que cria uma nova dinâmica de consumo, adiantando que um em cada quatro portugueses inquiridos se manifestou disposto a pagar mais pelo serviço para ter conteúdos ultra HD e 4K.

Aquele responsável pela área da TV na região mediterrânica salientou que a multinacional sueca tem uma oferta forte de soluções não só para operadores de telecomunicações como para companhias ligadas à área de conteúdos e destacou que a Ericsson tem vindo a fazer investimentos muito fortes em tecnologias de media e em plataformas de serviços de televisão e media.

Pedro Queirós, Presidente da Ericsson Portugal, destacou que dois dos três grandes operadores de telecomunicações e televisão paga em Portugal utilizam a plataforma da Ericsson.

O presidente da filial portuguesa da Ericsson salientou a rápida evolução das tecnologias de comunicações, realçando que foi necessário um século para atingir mil milhões de telefones fixos mas uma década bastou para chegar aos 5 mil milhões de telemóveis, esperando-se que em 2020 haja 50 mil milhões de dispositivos diversos ligados à Internet.

Sublinhou que a Ericsson se está a posicionar na parte das redes de telecomunicações para ter tudo ligado em banda larga e permitir comunicações em qualquer lugar.

O estudo TV & Media indica que os filmes, séries e shows televisivos são os programas mais vistos pelos portugueses, com uma média de 4,8 horas semanais, seguindo-se as séries de TV com horário fixo (3,9 horas), as notícias em directo, com uma média de 3,3 horas, a mesma que os filmes com horário fixo.

No total, os portugueses vêem em média cerca de 30 horas de televisão por semana.

Cerca de 45% dos portugueses com ligação à Internet acedem diariamente ao YouTube, sendo que 7% vêem mesmo mais de três horas por dia, 31% acedem ao YouTube em media pelo menos uma vez por semana, e pouco mais de um quinto (21%) vê com menor frequência, restando uma percentagem marginal que nunca acedeu ao YouTube.

Ainda sem comentários