Microsoft anuncia que 75 milhões dispositivos têm Windows 10

Publicado em 27/08/2015 23:40 em Software

A Microsoft anunciou hoje que 75 milhões de dispositivos instalaram já o novo sistema operativo Windows 10, lançado no passado dia 29 de Julho.

Yusuf Mehdi, vice-presidente de marketing para o Windows, numa nota colocada no blogue do Windows, garante que mais de 90 mil modelos únicos de PC ou tablets já fizeram a actualização para o Windows 10.

Acrescenta que o Windows 10 está disponível em 192 países e que a loja online para Windows 10 já registou seis vezes mais downloads de aplicações por dispositivo do que o Windows 8.

Entretanto, a empresa de segurança informática Sophos revelou que o Windows 10 está a suscitar grandes preocupações, que classifica de «paranóia», quanto à possibilidade de acesso a informação pessoal dos utilizadores e o acordo de serviços do Windows que prevê que a Microsoft possa bloquear conteúdos piratas e hardware não autorizado.

A multinacional indica que o acordo de serviços foi publicado a 4 de Junho e entrou em vigor a 1 de Agosto e aplica-se não especificamente ao Windows 10 mas apenas a serviços prestados directamente Microsoft, incluindo Xbox, Xbox Live e Windows Games.

Observa que a Microsoft não pode desinstalar dos dispositivos com Windows 10 software de terceiras partes copiado e instalado nos discos rígidos.

A Sophos indica que a «paranóia» atingiu tal dimensão que pequenos sítios Internet piratas decidiram começar a bloquear o acesso a esses sítios a utilizadores de dispositivos com Windows 10 instalados.

Também a empresa de segurança informática ESET analisou as políticas de privacidade do novo sistema operativo da Microsoft e concluiu que o Windows 10 traz implicações ao nível da privacidade para os utilizadores finais e empresas e são os próprios que devem determinar se é vantajoso abdicar da privacidade de algumas informações para usufruir de uma experiência superior, nomeadamente dom o Cortana.

Aryeh Goretsky, investigador na ESET, diz que tradicionalmente a Microsoft esforça-se para evitar coleccionar qualquer informação pessoal identificável, tornando-a anónima para que o utilizador não seja identificado e usando-a para melhorar os seus produtos e serviços.

Acrescenta que no Windows 10, o assistente pessoal com reconhecimento de voz Cortana utiliza dados como correio electrónico ou contactos para oferecer informações relevantes aos utilizadores, como já acontece com serviços similares no Windows Phone 8 e no Android, da Google.

Goretsky pergunta se isto será uma violação da privacidade e responde: «Penso que não, já que fui eu quem autorizou estes serviços quando configurei o meu dispositivo e dei o meu consentimento».

A ESET diz que o Windows 10 confere à Microsoft a mesma informação sobre o estilo de vida dos utilizadores que no passado apenas podiam conhecer os sistemas operativos para smartphone, como o Android, da Google, ou o iOS, da Apple.

Goretsky destaca que entre os problemas legais que a Microsoft teve nas últimas décadas, de forma geral não teve violações de dados envolvendo a divulgação de informação pessoal identificável dos seus utilizadores e acrescenta que, citando um colega, «a Microsoft pode ser uma empresa perversa mas preocupa-se com a privacidade dos seus clientes».

A ESET sublinha que se o utilizador não escolher o Express Setup durante a instalação, o Windows 10 oferece a possibilidade de configurar os parâmetros relacionados com privacidade.

Ainda sem comentários