Produção mundial PC caiu 9,5% no II trimestre

Produção mundial PC caiu 9,5% no II trimestrePublicado em 23/07/2015 01:46 em Equipamentos

A produção mundial de PC caiu 9,5% no segundo trimestre de 2015, para 68,4 milhões de unidades, com a chinesa Lenovo a manter a liderança do mercado, conquistada no ano passado, estima a consultora e analista de mercados Gartner.

Aquela consultora sublinha que esta foi a maior queda no mercado de computadores pessoais desde o terceiro trimestre de 2013, mas espera que no conjunto do ano 2015 a redução de vendas recue para 4,4% e que o mercado cresça em 2016.

A apreciação do dólar face a algumas divisas, que tornou os produtos mais caros nesses países, é uma das razões da acentuada queda da procura mundial de computadores, indica a analista.

Outra razão é o facto de o fim do suporte da Microsoft ao Windows XP ter provocado uma aceleração da renovação das máquinas em período homólogo de 2014, a que se junta algum adiamento de compras para aguardar a disponibilização do novo sistema operativo Windows 10, da Microsoft.

As vendas da Lenovo caíram 6,8%, menos do que a média do mercado, o que lhe permitiu um ligeiro reforço da quota, para 19,7%, correspondente a quase 13,46 milhões de unidades, indica a Gartner.

A HP vendeu 11,92 milhões de PC (menos 9,5%), que lhe garantiram o segundo lugar do mercado mundial no segundo trimestre, com uma quota de 17,4%, precisa a analista.

A Dell teve a menor redução de vendas entre as cinco principais marcas (menos 4,9%) e vendeu 9,59 milhões de PC, correspondentes a uma quota de 14,0%, e consolidou a terceira posição.

As vendas da Asus caíram 10,2%, para 4,65 milhões de máquinas, ficando com uma quota de 6,8% e ultrapassando o grupo Acer, cujas vendas baixaram 20,2%, para 4,55 milhões de unidades, que lhe conferiram uma quota de 6,7% do mercado, segundo a Gartner.

As vendas de PC nos Estados Unidos recuaram 5,8% no segundo trimestre, para 15,09 milhões de máquinas, na EMEA – Europa, Médio Oriente e África caíram 15,7%, para 18,6 milhões de unidades, na Ásia/Pacífico baixaram 2,9%, para 24,2 milhões de equipamentos, e a Gartner admite que na China desceram 4%,

A produção mundial de PC caiu 9,5% no segundo trimestre de 2015, para 68,4 milhões de unidades, com a chinesa Lenovo a manter a liderança do mercado, conquistada no ano passado, estima a consultora e analista de mercados Gartner.

Aquela consultora sublinha que esta foi a maior queda no mercado de computadores pessoais desde o terceiro trimestre de 2013, mas espera que no conjunto do ano 2015 a redução de vendas recue para 4,4% e que o mercado cresça em 2016.

A apreciação do dólar face a algumas divisas, que tornou os produtos mais caros nesses países, é uma das razões da acentuada queda da procura mundial de computadores, indica a analista.

Outra razão é o facto de o fim do suporte da Microsoft ao Windows XP ter provocado uma aceleração da renovação das máquinas em período homólogo de 2014, a que se junta algum adiamento de compras para aguardar a disponibilização do novo sistema operativo Windows 10, da Microsoft.

As vendas da Lenovo caíram 6,8%, menos do que a média do mercado, o que lhe permitiu um ligeiro reforço da quota, para 19,7%, correspondente a quase 13,46 milhões de unidades, indica a Gartner.

A HP vendeu 11,92 milhões de PC (menos 9,5%), que lhe garantiram o segundo lugar do mercado mundial no segundo trimestre, com uma quota de 17,4%, precisa a analista.

A Dell teve a menor redução de vendas entre as cinco principais marcas (menos 4,9%) e vendeu 9,59 milhões de PC, correspondentes a uma quota de 14,0%, e consolidou a terceira posição.

As vendas da Asus caíram 10,2%, para 4,65 milhões de máquinas, ficando com uma quota de 6,8% e ultrapassando o grupo Acer, cujas vendas baixaram 20,2%, para 4,55 milhões de unidades, que lhe conferiram uma quota de 6,7% do mercado, segundo a Gartner.

As vendas de PC nos Estados Unidos recuaram 5,8% no segundo trimestre, para 15,09 milhões de máquinas, na EMEA – Europa, Médio Oriente e África caíram 15,7%, para 18,6 milhões de unidades, na Ásia/Pacífico baixaram 2,9%, para 24,2 milhões de equipamentos, e a Gartner admite que na China desceram 4%,

Ainda sem comentários