Nokia anuncia acordo para desenvolver arquitectura de tecnologia móvel 5G

Publicado em 02/07/2015 00:49 em Geral

A fabricante de soluções e equipamentos de redes de telecomunicações Nokia anunciou um consórcio de empresas industriais de telecomunicações, operadores de rede, companhias de tecnologias e academias europeia para desenvolver as normas da arquitectura da futura tecnologia móvel de quinta geração (5G).

Em comunicado, a Nokia afirma que a parceria 5GPPP visa desenvolver a 5G NORMA (5G Novel Radio Multiservice adaptative network Architecture) para propor uma arquitectura que tenha em consideração tanto as redes de acesso rádio (RAN) como as redes Core (Core Network).

Assinala que será necessária uma ligação super-rápida e fiável, com uma latência virtualmente zero, e que garante uma ligação consistente e de alta qualidade tanto para as pessoas como para as coisas.

A Nokia adianta que as redes 5G conjugarão tecnologias revolucionárias com tecnologias existentes de rádio móvel, como o Wi-Fi, num novo sistema, o que requer novas arquitecturas de rede móvel para gerir essas redes.

O comunicado destaca que, com o projecto 5G NORMA, os actores líderes do ecossistema móvel pretendem garantir uma posição de liderança para a Europa na tecnologia 5G.

O consórcio inclui as empresas industriais Alcatel-Lucent (em processo de aquisição pela Nokia), NEC, Nokia Networks e Atos, os operadores de telecomunicações Deutsche Telekom, Orange e Telefonica (os operadores históricos da Alemanha, França e Espanha), as empresas de TI Azcom Technology, Nomor Research e Real Wireless e as universidades Kaiserslauten (Alemanha), London Kings College (Reino Unido) e Carlos III de Madrid (Espanha).

No entanto, é de sublinhar que a 19 de Junho a UIT - União Internacional de Telecomunicações, o regulador mundial do sector, divulgou ter concluído uma proposta para o desenvolvimento dos sistemas móveis 5G, a que deu o nome de IMT-2020.

Indica que o grupo de trabalho da UIT sobre aquela matéria definiu na reunião de San Diego (Califórnia, Estados Unidos) os objectivos globais e os processos para o desenvolvimento dos sistemas móveis 5G, em estreita colaboração com os poderes públicos e com empresas privadas do sector.

A UIT sublinha que a próxima etapa será definir especificações técnicas detalhadas para o funcionamento dos sistemas de radiocomunicações que suportarão a tecnologia de quinta geração móvel e precisar critérios de avaliação das tecnologias de interface radioeléctrico possíveis, que se integrarão na série de normas IMT-2020.

Observa que a Assembleia de radiocomunicações da UIT, que se reúne em Outubro próximo, deverá adoptar oficialmente a designação «IMT-2020».

A UIT indica que na indústria se fala muito das próximas etapas da tecnologia móvel e observa que a atenção está agora centrada na possibilidade de criar uma sociedade sempre ligada no horizonte 2020 e para lá disso.

Analistas do sector de telecomunicações têm interpretado esta posição do regulador internacional das telecomunicações como uma forma de travar as tentativas de alguns grupos de actores empresariais do sector para se anteciparem e avançarem com normas para o 5G, que seriam testadas em alguns grandes eventos internacionais, nomeadamente desportivos, e apontar 2020 como o ano de arranque do 5G.

Ainda sem comentários