Despesa em TIC deve cair 5,5% em 2015

Despesa em TIC deve cair 5,5% em 2015Publicado em 01/07/2015 13:39 em Destaques

A despesa mundial em tecnologias da informação e comunicações (TIC) deverá descer 5,5% em 2015, com quedas em todos os segmentos, prevê a consultora e analista de mercados Gartner.

A Gartner antecipa que a despesa mundial em TIC, que no ano passado ainda cresceu 1,6%, deverá quedar-se este ano nos 3,507 biliões de dólares (3,158 biliões de euros), mas a descida em dólares reflecte também uma valorização da divisa dos Estados Unidos.

A Gartner salienta que a evolução cambial levou muitos fabricantes a aumentarem preços nalguns segmentos para manterem as suas margens, o que implicou que empresas e consumidores revissem decisões de compra em função dessa realidade.

A maior redução da despesa, de 7,2%, deverá verificar-se nos serviços de telecomunicações, com a despesa a recuar para 1,492 biliões de dólares (1,345 biliões de euros).

John-David Lovelock, vice-presidente da Gartner, sublinha que aqueles números não reflectem uma redução de actividade da mesma dimensão, uma vez que, além dos efeitos cambiais, os preços dos serviços de telecomunicações baixaram, com o aumento da concorrência, e verificou-se um acréscimo da utilização daqueles serviços na maioria dos mercados.

Também os números globais da despesa não correspondem a uma queda da actividade, já que o nível médio de preços se reduziu em segmentos importantes, como as comunicações e serviços de TI.

A despesa em equipamentos tecnológicos reduziu-se 5,7%, para 654 mil milhões de dólares (590 mil milhões de euros), continuando os telemóveis, em particular os smartphones, a liderar a facturação, com destaque para um crescimento nos iPhones, em particular na China.

A Gartner acrescenta que o mercado de computadores e tablets mantém a tendência de enfraquecimento, explicando que um aumento no preço médio dos computadores da ordem dos 10% levará ao adiamento de compras.

Admite que a despesa em serviços de tecnologias de informação (TI) baixe 4,2%, para 914 mil milhões de dólares (825 mil milhões de euros), apesar de um ligeiro aumento nos serviços de consultoria.

Lovelock adianta que a queda de facturação reflecte também uma queda do custo médio dos serviços de TI nos maiores mercados e a mudança para a modalidade «as a service», o que mascara um aumento de actividade.

Os sistemas de centros de dados tiveram uma queda de 3,8% na facturação, para 136 mil milhões de dólares (123 mil milhões de euros).

Quanto ao software empresarial, as receitas mundiais deverão recuar 1,2% este ano, para 654 mil milhões de dólares (590 mil milhões de euros), mas os analistas da Gartner dizem que muitos produtores de software empresarial não aumentam preços devido à opção do «software as a service», que é uma questão de quota de mercado e não de rentabilidade.

Ainda sem comentários