Serviço móvel com menos cartões activos no primeiro trimestre

Publicado em 17/06/2015 23:53 em Operadores / Serviços

O serviço móvel em Portugal tinha no fim de Março 16,455 milhões de cartões activos, menos 1,7% do que no último dia de 2014, mas só 77,7% deles (12,8 milhões) foram efectivamente utilizados nos três primeiros meses de 2015, indicou a ANACOM –Autoridade Nacional de Comunicações.

Excluindo os cartões das placas modem para Internet de banda larga e os associados a comunicações M2M (máquina a máquina), o número de equipamentos móveis de utilizador efectivamente usados seria de 11,7 milhões, adianta o regulador.

No final de Março passado, a taxa de penetração dos telemóveis ascendeu em Portugal a 157,8 por 100 habitantes, mas seria de 122,6 por 100 habitantes se fossem considerados apenas os cartões efectivamente utilizados no período considerado.

O MEO é o principal prestador de serviços móveis, com 47,5% do total de cartões activos, seguindo-se a Vodafone com 31,8%. Embora a NOS surja em último lugar, com uma quota de 18,9%, este foi o único operador móvel que aumentou o número de cartões activos (mais 3,8% homólogos).

Segundo a ANACOM, a utilização de cartões pré-pagos está em queda. Os cartões pré-pagos representavam 54,3% do total no fim de Março, que compara com 65,1% um ano antes, uma evolução que o regulador associa ao crescimento dos pacotes de serviços que integram a telefonia móvel.

A ANACOM indica que os utilizadores de serviços típicos da banda larga móvel rondavam os 5 milhões no fim de Março (mais 12,6% do que em Março do ano passado) e o crescimento do uso destes serviços está associado ao aumento das ofertas de pacotes que incluem Internet no telemóvel. Os planos pós-pagos atingiram um máximo histórico no primeiro trimestre de 2015.

Acrescenta que a utilização residencial do acesso à Internet através do telemóvel atingiu os 45,5%, enquanto a penetração dos smartphones atingiu os 55,7%, segundo dados da Marktest.

O volume de minutos de conversação originados nas redes móveis subiu 9,4% entre os primeiros trimestres de 2014 e 2015, para um total de 6,3 mil milhões de minutos, mas o tráfego internacional diminuiu 7,8% homólogos.

O número de SMS enviados baixou 12,3% homólogos no primeiro trimestre, um comportamento que o regulador atribui ao aparecimento de formas de comunicação alternativas.

A duração média das chamadas efectuadas por telemóveis foi de 164 segundos por chamada no primeiro trimestre, mais 4 segundos do que em trimestre homólogo de 2014, e o número médio de SMS enviados por utilizador no trimestre foi de 229 (255 um ano antes), num total de 5,3 mil milhões de mensagens curtas (menos 12,3% homólogos).

No primeiro trimestre de 2015 foram enviadas 29,42 milhões de mensagens multimédia (MMS), uma redução homóloga de 18,8%, mas foram feitas mais 57,6% de videochamadas do que nos três primeiros meses de 2014, atingindo as 623 mil no primeiro trimestre de 2015, com quase 2,37 milhões de minutos de videochamadas (mais 43,3% homólogos).

No entanto, só 13,8% dos telemóveis fizeram envio de MMS.

O número de utilizadores do serviço de mobile TV situou-se no primeiro trimestre de 2015 em 5,8 milhares, o que representa 0,1% do total de telemóveis com serviço de banda larga.

O número de utilizadores do serviço de roaming internacional representou no primeiro trimestre 8,3% do total de telemóveis activos com serviço efectivo, adianta a ANACOM.

Indica que o número de chamadas em roaming aumentou 2,5% homólogos, para 23,64 milhões, o número de minutos de conversação cresceu 12,1%, para 63,78 milhões, e o número de SMS enviados subiu 8,5%, para 77,4 milhões.

Quanto ao acesso à Internet em roaming, o número de sessões mais do que duplicou (mais 124,1% homólogos), atingindo 72,99 milhões de sessões, e o tráfego gerado em roaming aumentou 181,5%, isto é, quase triplicou, ascendendo a 76,86 milhões de gigabytes.

O volume de receitas dos serviços móveis a clientes finais ascendeu a 369 milhões de euros, uma redução homóloga de 19,6%, e o ARPU (receita média por cliente) baixou de 11,8 euros no primeiro trimestre de 2014 para 9,6 euros em igual período de 2015.

Ainda sem comentários