Bosh anuncia crescimento em Portugal de 3% em 2014

Publicado em 04/06/2015 23:39 em Outras Tecnologias

A Bosch anunciou que facturou 811 milhões de euros no ano passado em Portugal, um crescimento de 3%, incluindo transacções com outras empresas do grupo.

Em comunicado, a Bosch indica que as vendas para o mercado nacional ascenderam a 156 milhões de euros.

João Paulo Oliveira, representante do grupo alemão em Portugal, sublinhou que a Bosch aumentou a competitividade das suas empresas no país e apostou nas competências dos seus trabalhadores, o que lhe permitiu atrair novos clientes e aumentar as actividades de investigação e desenvolvimento (I&D).

Adiantou que o grupo Bosch em Portugal exporta 90% da produção, vendendo os seus produtos para mais de seis dezenas de países da Europa, América, África e Ásia.

O grupo Bosch indica que investiu 24 milhões de euros em Portugal no ano passado na modernização das suas unidades de produção e em I&D, nomeadamente nos centros de investigação de Braga e Aveiro.

Precisa que tem em Braga uma parceria de investigação com a Universidade do Minho, no âmbito do qual serão investidos 19 milhões de euros em 14 projectos de I&D, com 12 patentes a serem registadas.

A Bosch revela que se candidatou a 48 milhões de euros de fundos para projectos de I&D com a Universidade do Minho, a investir entre 2015 e 2018, que poderão levar à contratação de 90 engenheiros e 165 bolseiros, e iniciou em Aveiro a construção de um novo centro de I&D de soluções para casas inteligentes e sustentáveis, onde deverá investir 25 milhões de euros e contratar centena e meia de engenheiros até 2020.

Em Ovar, onde a companhia tem um centro que desenvolve hardware de sistemas de segurança, que emprega 15 engenheiros, e onde a Bosh planeia duplicar o número de engenheiros até ao fim de 2016.

A Bosch indica que criou no ano passado uma centena de postos de trabalho altamente qualificados e que pensa passar o número de engenheiros dos três centros de investigação dos actuais 250 para 500.

No total, a companhia indica que emprega 3300 trabalhadores em Portugal, o que a torna um dos maiores empregadores industriais do país.

A multinacional tinha a 1 de Abril 360 mil trabalhadores e facturou 49 mil milhões de euros anuais nas suas quatro áreas de negócio: soluções de mobilidade (sector automóvel), tecnologia industrial, bens de consumo e tecnologia de energia e construção.

No ano passado, o grupo pediu o registo de 4600 patentes em todo o mundo.

Ainda sem comentários