Receitas grupo Vodafone cresceram 10,1%

Publicado em 21/05/2015 01:19 em Operadores / Serviços

As receitas do operador multinacional britânico de telecomunicações Vodafone cresceram 10,1% no ano fiscal de 2015 (terminado a 31 de Março), para 42 227 milhões de libras (58 273 milhões de euros), revelou a companhia.

Em comunicado de resultados, a Vodafone adianta que as receitas de serviços cresceram 9,4%, para 38 497 milhões de libras (53 126 milhões de euros).

A Europa teve receitas de 25 972 milhões de libras (35 841 milhões de euros) no ano fiscal 2015, representando bastante mais de metade das receitas totais da multinacional.

A companhia indica que teve no ano fiscal de 2015 lucros operacionais de 1 967 milhões de libras (2 714 milhões de euros), em queda face ao exercício precedente.

A multinacional indica que a cobertura da rede de quarta geração móvel (4G) atingiu os 72% na Europa e ascendeu aos 20,2 milhões de clientes 4G (mais 81%) em 18 mercados.

Vitorio Colao, CEO do grupo Vodafone, citado no comunicado, garante que o exercício fiscal de 2015 foi um ano de progressos continuados.

Sublinhou que a Vodafone tem oportunidades significativas de negócio futuro, porque apenas 13% dos seus clientes móveis usa tecnologia 4G e porque a quota do operador nos serviços fixos é muito mais baixa do que no móvel.

A companhia destaca o andamento do projecto Spring (Primavera), lançado em Novembro de 2013 e que previa um investimento de 19 mil milhões de libras em dois anos nas redes fixa e móvel de nova geração, visando alargara cobertura de rede de quarta geração na Europa (para 90%) e da rede de terceira geração em determinados países, e investir na infra-estrutura fixa na Espanha, Itália e Portugal.

Indica que a procura de tráfego de dados cresceu 80% em 2015 e acelerou no quarto trimestre, com a proliferação dos serviços de música e vídeo.

A Vodafone revela que os serviços empresariais representaram 27% das suas receitas totais, atingindo um peso de 32% na Europa, e destaca que detém uma posição forte nos serviços móveis empresariais.

Para 2016, o grupo espera que o forte crescimento do tráfego de dados permita estabilizar a receita média por cliente (ARPU).

Ainda sem comentários