Mulheres menos conscientes ameaças Internet, Kaspersky

Publicado em 08/03/2015 23:59 em Segurança Informática

As mulheres têm menos consciência das ameaças na Internet e só 19% das mulheres acreditam que podem ser vítimas do cibercrime, o que compara com 25% no caso dos homens, segundo um estudo da empresa de segurança informática Kaspersky.

O relatório da companhia russa, divulgado a propósito do Dia Internacional da Mulher, que hoje se celebra, afirma que as mulheres estão menos preocupadas em proteger-se das ameaças online do que os homens, uma atitude que pode ter consequências perigosas por prestarem menos atenção às ameaças na Internet.

O comunicado divulgado pela companhia russa não indica o universo do inquérito nem a dimensão e características da amostra utilizada.

O estudo da Kaspersky, realizado em colaboração com a B2B International, adianta que quase duas em cada cinco (38%) mulheres desconhece o que é «ransomware», contra apenas pouco mais de um quarto (27%) dos homens, e que sabem pouco sobre malware móvel 23% dos homens, percentagem que se eleva a 34% no sexo feminino.

A Kaspersky indica que 36% das mulheres permitem que crianças, amigos ou colegas utilizem os seus equipamentos sem tomarem medidas de protecção dos seus dados, contra apenas 28% dos homens.

Três quartos dos utilizadores masculinos fazem cópia de segurança dos dados, mas apenas 68% das mulheres as realiza, adianta a Kaspersky.

Observa que 13% das mulheres não utilizam soluções de segurança, percentagem que desce para 10% entre os homens.

A companhia russa de segurança informática diz que num período de 12 meses 35% das mulheres e 27% dos homens tiveram acidentes de segurança informática.

Indica, contudo, que 22% dos homens e 19% das mulheres sofreram prejuízos financeiros devido a ataques informáticos e em 2014 os ataques informáticos visando utilizadores de dados financeiros afectaram mais homens do que mulheres.

Uma situação que será explicável por 64% das mulheres estarem preocupadas com o risco de fraudes online que atinjam as suas contas bancárias, mais do que 59% de homens, e por a percentagem dos que receiam fazer pagamentos online ser superior no sexo feminino (51%) aos que têm o mesmo medo no sexo masculino (46%).

Também as mulheres (41%) têm maior receio de poderem ser objecto de espionagem através de câmaras Web do que os homens (38%).

A Kaspersky garante que os homens gastam mais dinheiro na compra de software de protecção ou de limpeza dos sistemas e as mulheres têm maior tendência a recorrer à ajuda de profissionais de tecnologias da informação.

Ainda sem comentários