Oracle Portugal quer crescimento a dois dígitos

Publicado em 21/01/2015 23:55 em Empresas

O director-geral da Oracle Portugal, Hugo Abreu, afirmou hoje que a empresa tem a ambição de crescer a dois dígitos em Portugal, o que significa ganhar quota de mercado.

Em encontro com a imprensa, Hugo Abreu assinalou que o mercado de tecnologias de informação (TI) não está a crescer em Portugal, mantém-se relativamente estável.

Indicou que a Oracle Corporation é a empresa cujo negócio na nuvem (cloud) mais cresce e já detém o segundo lugar no mercado mundial.

Adiantou que a cloud representou para a Oracle receitas de 516 milhões de dólares (444 milhões de euros), um crescimento de 45%, no segundo trimestre fiscal, terminado no fim de Novembro, mais de 5% das receitas totais da companhia, que atingiram 9,6 mil milhões de dólares (8,3 mil milhões de dólares) no trimestre.

O responsável da multinacional em Portugal disse que o objectivo da Oracle é ser líder na cloud, área em que é a emprresa que mais cresce, e acrescentou que em Portugal vários clientes adoptaram nos últimos meses o modelo de TI «as a service» na cloud.

Hugo Abreu salientou que outra área de grande crescimento, a dois dígitos, é a dos «engineered systems», com pré-integração de hardware e software.

Bruno Morais, director da Oracle Portugal, salientou que o investimento dos grandes clientes incidirá mais em soluções de cloud privada (dedicada a uma única organização), enquanto os clientes mais pequenos deverão utilizar sobretudo a cloud pública.

Bruno Morais adiantou que com a cloud pública a Oracle Portugal pode ajudar as PME a internacionalizarem-se, permitindo-lhes ter acesso às suas soluções tecnológicas fora do país.

Hugo Abreu salientou que com as soluções na nuvem as pequenas e médias empresas (PME) podem ter acesso a soluções que antes só estavam disponíveis para empresas de maior dimensão devido aos custos elevados de implementação.

Os responsáveis da Oracle Portugal salientaram que a adopção de soluções na nuvem tem sido gradual e previram que no final haverá uma coexistência de soluções internas e na cloud.

Hugo Abreu revelou que a Oracle é líder no segmento de bases de dados, a sua área de negócio original, com mais de 40% de quota de mercado, mais do que a soma das quotas do segundo e terceiro, e que representa mais de dois quintos do volume de negócios total da companhia.

O hardware vale 14% do negócio da Oracle, tanto a nível mundial como em Portugal, precisou.

O director-geral da multinacional em Portugal salientou que a Oracle oferece suites alargadas de aplicações na cloud, destacando que os fabricantes capazes de agregar várias aplicações num pacote, que permite fluxos de dados de uma forma mais transparente, têm vantagens competitivas.

Hugo Abreu revelou que a Oracle investe mais de 12% das receitas geradas em investigação e desenvolvimento (I&D) e que há trabalhadores em Portugal que participam em equipas internacionais de I&D.

A empresa emprega 170 trabalhadores em Portugal.

Ainda sem comentários