ZON OPTIMUS com receitas e lucros em queda I Trimestre 2014

Publicado em 09/05/2014 00:28 em Operadores / Serviços

A ZON OPTIMUS anunciou quarta-feira receitas de 337,3 milhões de euros no primeiro trimestre de 2014, uma redução de 4,1% relativamente à soma das receitas da ZON e da Optimus nos três primeiros meses do ano passado.

Incluindo as operações internacionais, as receitas baixaram 2,9%, ficando em 351,2 milhões de euros.

Em comunicado de resultados, a ZON OPTIMUS indica que os seus lucros consolidados foram de 25,3 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 8,2% do que a soma dos resultados das duas empresas que lhe deram origem.

A companhia indica que continua a sofrer o impacto de medidas regulatórias que forçaram a empresa a libertar os clientes de fibra óptica da Optimus com contratos de fidelização dessa obrigação e do impedimento de os abordar com novas ofertas comerciais.

Acrescenta que 14 mil clientes de acesso fixo de televisão por subscrição desistiram do serviço nos primeiros três meses do ano em curso.

A ZON OPTIMUS adianta que se verificou uma «adesão muito forte» aos pacotes convergentes, com um ritmo médio de crescimento de mais de 20 mil lares por mês, e observa que o serviço de televisão por subscrição IRIS de «triple play» (televisão, Internet e telefone fixo), ou «quadruple Play» (o anterior mais telefonia móvel) teve 61 mil novas adesões no trimestre e atingiu 498,6 milhares de subscritores.

A empresa destaca, também, a forte aceleração das subscrições de rede móvel, com um número crescente de clientes de assinatura, ligado às ofertas de «quadruple play». O número de clientes de serviços móveis aproximou-se dos 3,29 milhões, um acréscimo de 0,8% face ao primeiro trimestre de 2013 (ZON+Optimus), com os de assinatura a subirem 23,9%, para mais de 1,12 milhões, e os pré-pagos a recuarem 8,0%, para menos de 2,17 milhões.

A ZON OPTIMUS revela que no primeiro trimestre as vendas de bilhetes nos cinemas da companhia baixaram 10,6%, para 1,596 milhões de ingressos, queda explicável sobretudo pelo facto de a Páscoa ter este ano ocorrido no segundo trimestre. Acrescenta que as vendas acumuladas nos quatro primeiros meses de 2014, que incluem o período de Páscoa, cresceram 2,3% homólogos.

A receita média por bilhete vendido no trimestre subiu 1,5%, para 4,7 euros.

Ainda sem comentários