Ericsson prevê 9,3 mil milhões assinantes serviços móveis em 2019

Ericsson prevê 9,3 mil milhões assinantes serviços móveis em 2019Publicado em 13/11/2013 01:39 em Destaques

A multinacional fabricante de equipamentos e soluções de comunicações Ericsson prevê que em 2019 o número de assinantes de serviços de comunicações móveis ascenda aos 9,3 mil milhões, dos quais 5,6 mil milhões correspondentes a smartphones.

No seu relatório «Mobility Report», a Ericsson prevê que dentro de seis anos 90% da população mundial esteja coberta por redes móveis de terceira geração e que quase dois terços (65%) da humanidade tenham acesso potencial a tecnologia de quarta geração LTE.

Adianta que o número de assinantes da tecnologia LTE deverá ascender a 2,6 mil milhões em 2019, ano em que a quase totalidade dos telemóveis na Europa Ocidental e na América do Norte serão smartphones.

Assinala que, embora os smartphones tenham representado cerca de 55% das vendas de telemóveis no terceiro trimestre de 2013, o peso dos telefones inteligentes na base instalada de terminais móveis representa hoje apenas 25% a 30%.

No terceiro trimestre havia cerca de 6,6 milhões de assinaturas de telemóveis, com um crescimento líquido de 113 milhões no trimestre (um quarto das quais na China), mas a Ericsson estima que o número de pessoas com dispositivos móveis será de 4,4 mil milhões, dado que muitas têm duas ou mais subscrições.

A Ericsson indica que havia 1,32 mil milhões de assinaturas móveis na Ásia/Pacífico (excluindo China e Índia), 1,2 mil milhões na China, 803 milhões em África, 742 milhões na Índia, 697 milhões na América Latina, 568 milhões na Europa Central e de Leste, 521 milhões na Europa Ocidental, 361 milhões na América do Norte e 354 milhões no Médio Oriente.

O relatório indica que demorou cinco anos a chegar aos mil milhões de smartphones a nível mundial mas vai demorar menos de dois anos a chegar aos 2 mil milhões e até 2019 esse número vai quase triplicar.

O estudo revela que o número de subscrições de banda larga móvel está a crescer a um ritmo de 40% ao ano, deverá atingir os 2 mil milhões em 2013 e quadruplicar até 2019.

A Ericsson antecipa que em 2019 a tecnologia LTE representará 85% das subscrições na América do Norte e 55% na Europa Ocidental, enquanto as tecnologias de terceira geração móvel predominarão na Europa Central e de Leste, na América Latina e no Médio Oriente, com cerca de 70% em todos os casos. Na Ásia Pacífico o 3G deverá representar cerca de 45% das subscrições e o LTE 40%.

O tráfego de voz móvel cresceu ligeiramente nos últimos quatro anos mas o tráfego de dados móvel explodiu, multiplicando-se por mais de 15 vezes e crescendo 80% entre os terceiros trimestres de 2012 e 2013. A Ericsson sublinha, contudo, que há grandes diferenças entre as diversas regiões, mercados e operadores ao nível do tráfego de dados.

O relatório estima que entre 2013 e 2019 o tráfego de dados móvel a nível mundial se multiplique por 10, com uma taxa de crescimento médio anual acumulado de 45%, e admite que em 2019 o tráfego móvel de dados gerado por telemóveis (essencialmente por smartphones) já exceda o gerado por portáteis, tabletes e routers.

Acrescenta que, apesar de o tráfego de dados móvel apresentar taxas de crescimento muito superiores, o tráfego de dados da rede fixa ainda será dominante em 2019.

Nos próximos seis anos, o tráfego de dados móvel deverá multiplicar-se por 11 na Ásia/Pacífico, na América Latina e na Europa central, Médio Oriente e África, por 9 na Europa Ocidental e por 7 na América do Norte, estima o relatório da Ericsson.

O tráfego de vídeo deverá crescer a uma taxa anual média acumulada de 55%, será o principal factor de aumento do tráfego de dados e deverá representar em 2019 mais de metade do tráfego de dados. O tráfego gerado pelas redes sociais deverá representar 10% do total em 2019, ao mesmo nível de 2013.

Ainda sem comentários