Custos do Windows XP aumentam com fim suporte da Microsoft

Publicado em 31/10/2013 20:18 em Empresas

O fim do suporte ao Windows XP, que ocorre a 8 de Abril de 2014, vai aumentar significativamente os custos para as empresas que mantenham aquele sistema operativo mais antigo da Microsoft, segundo um estudo da consultora e analista de mercados IDC.

No estudo, patrocinado pela Microsoft, a IDC prevê que se nenhuma das organizações que em Portugal utilizam o Windows XP migrasse para um sistema operativo mais recente, essas empresas teriam um acréscimo global de custos da ordem dos 255 milhões de euros em 2014, com as pequenas empresas a suportarem mais de metade desse custo adicional.

A IDC estima que cerca de um terço dos PC das empresas portuguesas ainda tenha sistema operativo Windows XP, apesar de o Windows 7 já ser dominante na base instalada de computadores pessoais empresariais em Portugal.

Prevê que a base instalada de PC com Windows XP nas empresas em Portugal diminua drasticamente e não represente mais de 3% em 2017.

A IDC salienta o acréscimo dos custos de manutenção de sistemas tecnologicamente ultrapassados, estimando que o custo de manutenção do XP cresça 5% em 2014, cerca de 25% em 2015 e aproximadamente 29% em 2016.

Calcula que o custo de uma organização manter um computador com Windows XP nos três anos de 2014 a 2016 poderá atingir 2 238 euros, contra um custo de apenas 606 euros com o Windows 8, valor que será inversamente proporcional à dimensão da empresa.

Indica que o acréscimo de custos em manutenção e paragens de utilização por manter o Windows XP em vez de migrar para o Windows 8 em 2014 será de 434 euros para uma grande empresa e de 718 nas pequenas empresas, diferença explicável por as últimas não terem técnicos de informática nem contratos de suporte.

Entre 2014 e 2016, o sobrecusto de manutenção do Windows XP numas pequena empresa pode ser até 65% superior ao que sofre uma grande empresa, segundo a consultora.

A IDC garante que quem investir pouco mais de 500 euros num computador pessoal que traga o Windows 8 instalado, apesar de o preço incluir um novo equipamento pode poupar quase mil euros durante os referidos três anos, o que significa que o investimento seria recuperado em menos de dois anos.

A IDC afirma que no ano passado as vendas (para empresas, único segmento em que continua a estar disponível) de novas licenças de Windows 7 representaram 86,3% do total, mas a projecção é de que caiam para 51,5% em 2013 e continuem a recuar nos próximos anos, enquanto as vendas de Windows 8 deverão representar 45,2% este ano.

A IDC estima que a base instalada de Windows 7 será de 62,9% do total de PC com Windows em 2014 e manter-se acima de 48% até 2017, ano em que a base instalada de Windows 8 deverá atingir os 50%.

Ainda sem comentários